18 de maio de 2024

Ciclistas se preocupam mais com o bem comum do que motoristas

ciclistas

Recente estudo publicado na edição de novembro de 2023 do Journal of Environmental Psychology sob o título Orientação para o bem comum nas cidades: o papel do comportamento individual de mobilidade urbana, revela que aqueles que optam pela mobilidade ativa – à pé ou de bicicleta – são os mais solidários e os que mais se preocupam como bem comum nos grandes centros urbanos. O estudo foi baseado em pesquisas anuais com a população em geral na Alemanha entre 2014 e 2019.

O objetivo era explorar a relação entre o ciclismo e a condução em ambientes urbanos e a disposição para o “bem comum” – um conceito ligado à coesão social que tem sido objeto de maior atenção nos últimos anos, especialmente desde o início da pandemia de COVID-19.

No estudo, a orientação para o bem comum foi classificada de acordo com quatro medidas distintas – “participação política, participação social em organizações, solidariedade de vizinhança e ajuda de vizinhança”.

Segundo os autores, liderados por Harald Schuster, da Faculdade de Psicologia da FernUniversität em Hagen, Renânia do Norte-Vestefália, “andar de bicicleta em vez de conduzir foi positivamente associado à orientação para o bem comum em todos os modelos”.

“O ciclismo foi a única variável que foi um preditor positivo significativo para todas as quatro facetas da orientação para o bem comum, depois de controlar variáveis ​​possivelmente confusas (propriedade de casa, renda pessoal, educação, sexo).”

Os autores disseram que as descobertas foram explicadas pela experiência diferente do ambiente circundante e pela oportunidade de interação com outras pessoas que os motoristas ou passageiros de automóveis têm em comparação com aqueles que pedalam nas viagens diárias.

Observando que o automóvel particular “domina o espaço público e se tornou a norma dominante para a mobilidade urbana”, eles disseram que “devido ao design dos carros, as interações que os passageiros dos automóveis têm com seu ambiente direto são significativamente reduzidas”, principalmente porque o veículo isola-os do mundo exterior.

“É provável que as diferentes formas como as pessoas utilizam e interagem com o seu ambiente conduzam a diferenças na percepção de orientação para o bem comum”, sugere o estudo.

“Assumimos que a frequência e a franqueza da interação com o ambiente do bairro influenciam a extensão da orientação percebida para o bem comum. Por exemplo, quando os vizinhos têm a oportunidade de falar uns com os outros ou têm a oportunidade de ver diretamente mudanças positivas na vizinhança, isso pode afetar positivamente a orientação percebida para o bem comum.

“O comportamento de mobilidade das pessoas pode aumentar estas oportunidades de forma que as pessoas que caminham ou se locomovem por meio de bicicleta pela vizinhança tenham mais oportunidades de se encontrarem, conversarem e interagirem com o seu ambiente. Isto pode aumentar a sua experiência de orientação para o bem comum”.

Concluindo, os autores afirmam que “esta investigação demonstrou que o comportamento de mobilidade está associado à orientação para o bem comum.

“Estas descobertas são significativas para a política e o planejamento porque os benefícios do ciclismo em vez da condução são mais profundos e sustentáveis ​​do que se pensava anteriormente”, acrescentaram.

Se você anda de bicicleta e também dirige, pergunte-se: com que frequência você identifica algo em sua área local que não havia notado antes quando andava de bicicleta em comparação com quando estava dirigindo? E quando foi a última vez que você teve uma conversa amigável com um colega motorista enquanto esperava a mudança do semáforo?