21 de abril de 2024

Hidrogênio verde limitado: um jogo de soma zero?

hidrogênio verde

O entusiasmo pelo transporte movido a hidrogênio verde permeia os governos em todo o mundo. No entanto, os especialistas questionam a praticidade e a sustentabilidade desta tecnologia. Os defensores afirmam que o hidrogênio apresenta benefícios distintos, como autonomias alargadas e reabastecimento mais rápido, ideal para transportes pesados. No entanto, os caminhões elétricos a bateria surgiram no mercado, ultrapassando os protótipos a hidrogênio em medidas econômicas cruciais.

Um falso amanhecer para o hidrogênio?

O apelo do transporte de hidrogênio é inegável, pelo menos no papel. Os seus defensores defendem a sua autonomia alargada e tempos de reabastecimento mais rápidos, tornando-o aparentemente perfeito para transportes pesados. Os governos de todo o mundo abraçaram esta visão, concedendo subsídios ao seu desenvolvimento. A Alemanha, por exemplo, viu o caminhão movido a hidrogênio da Daimler Truck completar uma viagem recorde de 1.047 quilômetros com um único tanque.

No entanto, embora o entusiasmo pelo transporte de hidrogênio seja abundante, o mesmo não pode ser dito dos especialistas na área. Muitos questionam a praticidade e a sustentabilidade da tecnologia do hidrogênio. Eles destacam o processo de produção com uso intensivo de carbono e a infraestrutura dispendiosa necessária para as células de combustível de hidrogênio. Mais importante ainda, sublinham que a produção de hidrogênio verde, produzido a partir de energias renováveis, ainda não é suficientemente eficiente para justificar a sua utilização nos transportes.

Um grande obstáculo, conforme salientado pelos especialistas, gira em torno da disponibilidade insuficiente de hidrogênio verde. Produzido a partir de fontes de energia renováveis, deverá registrar um aumento substancial na produção para satisfazer as crescentes exigências do setor dos transportes. No entanto, a realidade atual é insuficiente, com um fornecimento inadequado, mesmo para as necessidades da indústria existente, e muito menos para o setor dos transportes em expansão. Atualmente, a indústria depende fortemente do hidrogênio “cinzento”, derivado do gás natural ou do petróleo. Quase 10 milhões de toneladas de hidrogênio cinzento são produzidas anualmente na UE. Atualmente existe capacidade para substituir apenas uma pequena parte deste combustível por hidrogênio verde. Por conseguinte, dar prioridade à transição da procura atual para o hidrogênio verde deve ter precedência antes de expandir a procura de hidrogênio.

A ascensão do transporte elétrico

Enquanto o transporte a hidrogênio enfrenta vários obstáculos, a eletrificação está registrando crescimento notável. E, se a Daimler apresenta um caminhão que roda mais de mil quilômetros com hidrogênio, a Tesla mostra um semi-elétrico que roda mais de 1.600 quilômetros num único dia.

Esta tendência para a eletrificação não se limita apenas ao transporte rodoviário de longo curso. Cidades de todo o mundo estão fazendo investimentos substanciais em ônibus elétricos, caminhões de coleta e várias outras formas de transporte elétrico. Até recentemente, a sabedoria convencional sustentava que estes tipos de transporte passariam do diesel para o hidrogênio. No entanto, a realidade é que agora estão mudando do diesel para alternativas elétricas a bateria.

Uma abordagem equilibrada à descarbonização

Mesmo que o transporte elétrico faça grandes progressos, o transporte a hidrogênio ainda cativa a nossa imaginação. Contudo, este fascínio poderia desviar recursos preciosos. O objetivo da produção de hidrogênio verde deveria ser substituir o seu equivalente “cinzento” e poluente atualmente utilizado em muitos setores. Investir dinheiro e recursos na utilização do hidrogênio nos transportes, quando as opções alimentadas por bateria já são eficientes, poderia abrandar a mudança para a energia elétrica. Tanto as empresas como os governos precisam selecionar as opções mais práticas e sustentáveis ​​à medida que planejam um futuro mais verde.