Volkswagen anuncia novas contratações para produção de pesados

VWCO anuncia contratações

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) anunciou, ontem (05/12) a admissão de 350 novos funcionários para sua linha de caminhões e ônibus em Resende (RJ). Nas últimas três semanas, esta é a terceira montadora de veículos pesados a anunciar a contratação de novos colaboradores para fazer frente ao aumento na produção de suas plantas industriais no país.

Segundo Roberto Cortes, presidente e CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus, os novos colaboradores já começam a receber treinamento este mês para compor o segundo turno de trabalho da linha de pesados, principalmente no segmento de ônibus, que registrou aumento de pedidos. Na volta das férias coletivas, no início do próximo ano, a produção será retomada em ritmo mais acelerado. A planta de Resende tem capacidade para três turnos e durante os piores momentos da crise chegou a operar com um único turno por apenas quatro dias da semana. Hoje opera com segundo turno parcial para dar vazão ao novo nível de atividade.

Os principais motivos para o aumento de produção da montadora foram as duas licitações vencidas para a venda de 3.400 ônibus para o programa federal Caminho da Escola e outras 500 unidades para o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) – os primeiros 300 veículos já foram entregues. 

“Estou convicto de que este ano encerramos oficialmente uma das crises mais sérias da nossa indústria”, declara Cortes. Ele mesmo afirma que não contava com o crescimento de 49% da indústria de janeiro a novembro, sobre igual período do ano passado, e destaca que a VWCO cresceu ainda mais, com índice acima do mercado, um aumento de 51% no período. As vendas da linha de caminhões Delivery contribuiu para esse desempenho.

“Em ônibus também o pior já passou. O mercado cresceu 29% e nós crescemos 51%”, enfatiza. Além das vendas para o Caminho da Escola e para o MDS, ele conta que a montadora conseguiu recuperar clientes antigos do setor. “Levarei essa boa notícia para a Alemanha daqui a duas semanas”, ressalta.

As exportações também chegam ao final do ano com resultados positivos. De janeiro a outubro, as exportações de caminhões e ônibus do mercado aumentaram 1,8%, enquanto a VWCO teve aumento de 7% nas vendas para o exterior, mesmo diante de um momento delicado para a Argentina, que é o maior mercado para exportação da montadora.

Cortes destaca que o Brasil continua um mercado prioritário para o grupo Traton, do qual a VWCO faz parte desde agosto, e diz que o plano de investimentos de R$ 1,5 bilhão até 2022 permanece. Ele espera que o novo governo faça as reformas necessárias e dê atenção para a necessidade de renovação da frota nacional de caminhões, que tem idade média de 17 anos.

Nesses três primeiros meses como parte do Grupo Traton, a VWCO intensificou a sinergia com as demais marcas do grupo – MAN, Scania e RIO – e ganhou mais relevância na estratégia mundial da Traton. Buscou reforçar o nome da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, retomando suas origens e mantendo os avanços com a produção e comercialização dos veículos MAN na América Latina.

Caminhão e ônibus elétricos

Roberto Cortes diz que a VWCO está em busca de empresas de ônibus que tenham interesse em formar parceria para lançar um Volksbus flex, nos mesmos moldes de desenvolvimento conjunto que está usando no caminhão e-Delivery. O e-Delivery é um  veículo 100% elétrico da VWCO que está com as primeiras duas unidades-protótipo rodando em campo para distribuição de bebidas pela Ambev, na cidade de São Paulo. “É um desenvolvimento conjunto em plena utilização”, diz Ricardo Alouche, vice-presidente de vendas, marketing e pós-vendas da VW Caminhões e Ônibus.

O modelo em teste é um veículo 6×2, de 13 toneladas de PBT, seis paletes e tem bateria importada da China. Mas Alouche antecipa que em breve a montadora fará sua própria bateria no grupo, provavelmente fabricada no Oriente.

“Nós imaginávamos que o elétrico chegaria no Brasil apenas dez a 15 anos depois da Europa, mas o Brasil já está pronto para absorver essa tecnologia”, assinala Alouche. 

Ele acredita que até 2023 serão entregues todas as 1.600 unidades do e-Delivery acordadas com a Ambev.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta