Vendas da linha Sprinter, da Mercedes-Benz, cresceram 66% no semestre

Há frotas de veículos comerciais semileves muito antigas, que precisam de renovação, e há um certo movimento positivo da economia que aumentou a demanda por veículos que possam circular nos centros urbanos transportando cargas e pessoas. Esses são alguns dos fatores que impulsionaram as vendas de veículos comerciais no segmento de 3,5 a 5 toneladas de PBT (Peso Bruto Total) no primeiro semestre do ano, para um crescimento de 77% sobre igual período de 2018, com um total de 15.546 comerciais leves emplacados de janeiro a junho deste ano. O ano passado fechou com um total de 23 mil unidades comercializadas e a previsão de mercado para 2019 é de 30 mil unidades desse segmento emplacadas.

Jefferson Ferrarez, Linha sprinter

Na avaliação de Jefferson Ferrarez, diretor de vendas e marketing vans da Mercedes-Benz do Brasil, a expectativa é de que o segmento chamado de “large vans” cresça entre 35 e 40% em 2019, uma previsão com base em números recalculados diante do bom desempenho do primeiro semestre do ano, uma vez que a expectativa antes estava em uma alta de 25 a 30% no ano.

Assista a entrevista com Jefferson Ferrarez

Vale lembrar que a base de comparação é baixa, já que o primeiro semestre de 2018 foi muito ruim em vendas do segmento e o mercado só começou a melhorar a partir de agosto do ano passado. Ferrarez acredita que esse comportamento do mercado vai se repetir este ano e o segundo semestre deverá ser melhor. Bom para a Mercedes-Benz, que tem uma participação de 35% nesse ambiente de large vans, de 3,5 a 5 toneladas de PBT.

Entre os veículos desse nicho que a montadora comercializa, a linha Sprinter é o carro-chefe de vendas, com 5.419 unidades emplacadas de janeiro a junho, nos segmentos de vans, furgões e chassis com cabine, um crescimento de 66% sobre igual período do ano passado. A projeção da empresa é vender 10 mil veículos da linha Sprinter até o final do ano. Em 2018, foram emplacadas 8.300 unidades dessa linha. As vendas da Mercedes-Benz nesse setor estão divididas em 50% de vans para passageiros, 35% de furgões e 15% de chassis com cabine.

De janeiro a junho, foram emplacadas 2.634 vans de passageiros, um crescimento de 67% sobre o mesmo período do ano passado; 1.986 furgões, uma alta de 58% na comparação dos períodos; e 799 chassis, aumento de 93% sobre o primeiro semestre do ano passado. No total, a linha Sprinter conta com 60 versões dos modelos 313 CDI Street (PBT de 3,5 ton) – que representa 15 a 20% do portfólio da linha –, 415 CDI (PBT de 3,88 ton) e 515 CDI (PBT de 5 ton).

Vans de passageiros

Segundo Ferrarez, as razões para essa alta de 66% nas vendas da linha Sprinter são que alguns clientes frotistas ganharam novos contratos que estavam congelados e precisaram comprar novos veículos para ampliar a frota e outros clientes estão com frotas antigas e decidiram renovar os carros. Os segmentos da economia que mais impulsionaram os negócios estão nos setores de turismo, fretamento e e-commerce.

Mas a maior demanda, de acordo com o executivo da montadora, está no segmento de vans de passageiros, em que o prazo de entrega pode levar de dois a três meses. Segundo Ferrarez, há modelos de vans de passageiros com espera de até seis meses, para configurações específicas. Nesse nicho, a maior demanda concentra-se no turismo, fretamento e escolar. “O cliente entende que a Sprinter é um produto extremamente acessível e adequado para o negócio dele”, declara Ferrarez.

Ele destaca também como fator de impulso às vendas a ação de demonstrações que a montadora tem desenvolvido ao colocar a Sprinter para circular na frota do cliente. A Mercedes mantém 22 large vans disponíveis para testes junto aos clientes, com técnico para demonstrar o produto em aplicações diferenciadas para mostrar a melhor forma de operá-lo. “Isso leva à conquista de novos clientes”, assinala o executivo. O valor de revenda dos veículos da linha Sprinter também pode ser um dos atrativos. “A Sprinter traz segurança ao cliente de que no ciclo de renovação do produto ele vai conseguir o melhor valor na hora da revenda. Isso tem sido fator relevante”, afirma. 

E, de acordo com Ferrarez, há também fatores macroeconômicos que aqueceram esse mercado no primeiro semestre como inflação e juros controlados, taxas de financiamento mais acessíveis para aquisição do veículo e maior confiança do empresário para decidir sobre a renovação da frota.

Nova linha de produtos

A linha Sprinter é produzida na fábrica da Mercedes-Benz na Argentina, que está se preparando para a produção de uma nova linha do modelo que ainda será lançada no Brasil. Hoje, perto de 85% da produção argentina vem para o mercado brasileiro.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta