Toyota explora blockchain para dados de condução autônoma

Toyota explora blockchain

O Toyota Research Institute, uma unidade da Toyota Motor North America, se uniu ao laboratório MIT Media Lab e outras empresas para explorar a tecnologia blockchain para o desenvolvimento de veículos autônomos.

O uso da tecnologia blockchain também poderia diminuir os custos de seguro para os motoristas, bem como pavimentar o caminho para novas soluções de carros compartilhados.

“Centenas de bilhões de quilômetros de dados de condução humana podem ser necessários para desenvolver veículos autônomos seguros e confiáveis”, disse Chris Ballinger, diretor de serviços de mobilidade e diretor financeiro da Toyota Research Institute.

“Blockchains distribuídos podem reunir dados de proprietários de veículos, gestores de frota e fabricantes para encurtar o tempo para atingir os objetivos de mais segurança, eficiência e vantagens de conveniência da tecnologia de condução autônoma”, concluiu o executivo.

Os proprietários terão acesso aos seus próprios dados, garante a Toyota. As informações derivadas de sensores do veículo, armazenadas em um bloco, serão capazes de gerar dados para medir os hábitos de condução e definir, por exemplo, os custos do seguro.

O uso de blocos da Toyota mostra que o sistema pode se estender muito além do financeiro e da criptografia. Possui o potencial para ser aplicado e revolucionar quase qualquer setor. Sua importância reside na sua segurança, velocidade e falta de intermediários ou burocracia.

Blockchain

Um blockchain é uma estrutura de dados que é um registro digital de transações. Ele permite compartilhar os registros digitais entre uma rede distribuída de computadores e permite que todos na rede manipulem o registro de maneira segura sem a necessidade de uma autoridade central.

Conhecido como o software que suporta o bitcoin, a primeira moeda digital, o blockchain é uma maneira de gravar e armazenar dados em um registro público e transparente. Cada parte da informação (chamada de “bloco”) na cadeia está ligada aos outros criptograficamente, tornando o sistema inviolável a menos que um hacker ataque cada computador e retenha a informação simultaneamente.

Atualmente, existem dois principais bloqueios dominantes existentes: a cadeia de blocos Bitcoin e a cadeia de blocos Ethereum. Enquanto a cadeia Bitcoin é dedicada exclusivamente para o comércio e armazenamento da moeda digital, Ethereum tornou as possibilidades de blockchains mais abrangentes.

Blockchain já tem sido usado efetivamente em várias áreas: A ONU está usando Ethereum (uma das maiores cadeias de blocos) para garantir que o dinheiro chegue às pessoas a que se destinava, e estima que eles ajudarão 500 mil pessoas até 2018. A Imogen Heap está aplicando-o à indústria da música para tentar garantir que os artistas sejam pagos com justiça. O Walmart está usando para rastrear fontes de alimentos contaminados.

As aplicações de Blockchain continuam a expandir-se, com alguns dizendo que até potencialmente, tem o poder de mudar a própria natureza da internet.

O crescente uso de poder de computação em veículos está pavimentando o caminho para a condução autônoma, criando novas rivalidades e oportunidades de negócios para empresas de tecnologia e montadoras.

Além do MIT Media Lab, que faz parte do Massachusetts Institute of Technology, os parceiros do projeto incluem a base de dados Bigchain DB em Berlim, que está construindo o banco de dados. A Oaken Innovations, com sede em Dallas e Toronto, que está desenvolvendo um aplicativo para compartilhamento de carros e pagamentos e a empresa israelense Commuterz, que está criando um software de pooling de automóveis.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta