Táxi voador e autônomo, uma visão de futuro da Airbus

Deborah é um ser humano de realidade virtual que precisa ir do hotel, em San Juan, para São Francisco, na Califórnia. E ela tem pressa.

O trânsito está um pesadelo, então, ao invés de passar horas no congestionamento, ela simplesmente usa seu smartphone e “chama” um avião elétrico, de decolagem e aterrissagem vertical do serviço de transporte sob demanda da Airbus, o projeto Vahana. Tarifa total: $ 77. Tempo total de voo: 18 minutos.

 

Este é o futuro previsto pela Airbus, que opera o Vahana através da sua subsidiária A³. Há quase um ano, o gigante da aeronáutica vem trabalhando no desenvolvimento de uma frota de veículos VTOL elétricos, autônomos e multi-rotor que podem ser usados ??para voar em cidades densas, onde o tráfego está muitas vezes parado. E a A³ está exibindo essa visão no Paris Air Show, que começou nesta segunda-feira, dia 19.

O conceito de vídeo produzido pela A³ é bastante consistente com as visões de outros que estão desenvolvendo seus próprios projetos VTOL, como Uber e o co-fundador do Google, Larry Page. Graças às melhorias na tecnologia da bateria e na inteligência artificial, os técnicos preveem que estamos a ponto de uma revolução na aviação urbana.

Os problemas da mobilidade urbana são cada vez maiores em todo o mundo, como resultado da crescente urbanização, particularmente em megacidades.

Projeções estimam que até 2030, 60% da população mundial estará concentrada em centros urbanos. 

São Paulo, por exemplo, estabeleceu um novo recorde em 2014: 344 quilômetros de congestionamentos durante o horário de pico. Segundo estudos, esses enormes engarrafamentos na cidade custaram à economia brasileira pelo menos 31 bilhões de dólares ao ano. Outro estudo descobriu que os londrinos perdem o equivalente a 35 dias de trabalho por ano em marcha lenta no trânsito. A situação é ainda pior em cidades como Mumbai, Manila ou Tóquio.

O uso do espaço aéreo pode ser uma das possíveis soluções para os problemas de mobilidade urbana. Esta é aposta da Airbus.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta