Startup israelense reinventa a roda e promete disrupção na indústria

Com um design revolucionário, startup israelense reinventa roda no qual todos os componentes clássicos de um veículo –  motor, sistema de direção, suspensão e freios –, são movidos de dentro do capô para as rodas, a REE criou um chassi plano, leve e versátil que promete aumentar a eficiência energética em carros elétricos.

Isso cria um chassi completamente plano, como um skate e, portanto, mais versátil. Esta forma também ajuda a reduzir o peso, um componente essencial para o sucesso dos veículos elétricos.

A abordagem da REE, que será apresentada oficialmente hoje (10/07) no evento TechCrunch Mobility em San Jose, Califórnia, coloca estrategicamente o motor, direção, suspensão, sistema de transmissão, sensores, freios, sistemas térmicos e eletrônicos nas rodas. Isso permite que os fabricantes usem a mesma plataforma, ou estrutura de carro, para diferentes tipos de carrocerias de veículos.

Startup israelense reinventa roda

Segundo Daniel Barel, CEO e co-fundador da REE, os carros elétricos não deveriam ser limitados pelas formas e soluções em que os carros de combustão evoluíram em mais de um século de desenvolvimento. O raciocínio mecânico da velha escola em torno da direção, dos motores, das transmissões e da suspensão precisava de uma revisão completa – um tipo de repensar que é revolucionário demais para vir de dentro da própria indústria automotiva.

Startup israelense reinventa roda

“Os conceitos do passado são limitados e restringem a capacidade da indústria automotiva de atingir a realidade elétrica e autônoma pela qual estão se esforçando”, disse Daniel Barel. “Até agora, a indústria operou fazendo melhorias incrementais no design tradicional do veículo automotivo. Na REE, acreditamos que, a fim de acelerar a revolução automotiva, precisamos reinventar a roda, literalmente ”.

A solução REE é tão modular que é difícil definir detalhes específicos. Basicamente, cada roda fica em um aro leve, conectado através de uma suspensão super compacta e sistema de direção a um motor elétrico igualmente compacto e transmissão.

Nada requer uma entrada mecânica ou hidráulica. Tudo é acionado eletronicamente, com uma série de sensores a bordo de cada unidade de roda para alimentar a informação de volta ao cérebro do sistema.

O “chassi modular” libera espaço em 67% e reduz o peso do veículo em 33%, segundo dados da empresa.

Segundo a REE, a mesma plataforma pode ser usada para qualquer tipo de veículo: um carro de alto desempenho capaz de fazer 0-100 km/h em menos de 3 segundos, um SUV off-road com avançada tecnologia de suspensão ativa, um robotaxi ou até mesmo um caminhão de 10 toneladas.

Suspensão e direção

“Precisamos entender que todo o núcleo dessa tecnologia é modular”, diz Barel. “Nós construímos uma série de capacidades. Assim, temos muitos tipos de suspensão: passiva, semi-ativa, ativa, ativa através dos amortecedores, amortecedores rotativos. Temos quatro tipos diferentes de direção, todos orientados por fio. Direção de roda, direção adaptativa, e assim por diante. Pode ser tração dianteira e direção de roda dianteira, ou tração integral e direção all-wheel. Depende da aplicação que você precisa.”

Não é um motor de cubo

Absolutamente não, diz Barel: “Os motores de cubo já existem há algum tempo, mas de acordo com as nossas crenças, eles não são adequados para automóveis por algumas razões. Eles são muito propensos a danos: você tem que girá-los no mesmo RPM das rodas, ou seja, baixa rotação e altos torques, o que é exatamente o oposto do que você quer fazer, além disso, eles aumentam a massa não suspensa do veículo. Estamos reduzindo drasticamente a massa não suspensa. Na configuração que nós construímos, a maioria dos componentes vem após a suspensão.”

“Tudo em nosso sistema é conectado por meio de uma caixa de câmbio única e patenteada que pode permitir movimentos verticais, mantendo o desempenho máximo. Se você pensar em um carro hoje, pode pensar em um eixo. Como você transfere o torque, eles geralmente perdem cerca de 8% de sua capacidade quando atingem a parte superior e inferior do curso da suspensão e criam os ângulos maiores. Nossa tecnologia não sofre com esses cenários, ela permanece tão eficiente durante todo o curso da suspensão.”

Por que usar transmissões em vez da unidade direta que muitos veículos elétricos estão usando hoje? A resposta é eficiência. Motores elétricos de baixo torque e alta RPM, diz Barel, proporcionam melhor eficiência, e executá-los através de uma transmissão super compacta permite uma saída de alto torque e baixa RPM através das rodas.

A manutenção desses veículos será de uma simplicidade ímpar. Levante-os, retire as rodas, remova o módulo inteiro da roda e repare ou substitua qualquer peça que seja necessária.

Barel diz que a equipe da REE desenvolveu o conceito por quase cinco anos antes de levá-lo para mostrar aos fabricantes automotivos de primeira e segunda linha.

“Sério, nós estávamos realmente esperando que eles atendessem nosso chamado e não rissem demais. Achamos que poderia funcionar, mas ninguém da indústria automobilística real jamais olhou para ele”.

“Para nosso espanto, eles não apenas gostaram, como pediram para investir na REE e serem nossos parceiros em P&D e produção para o futuro – de uma forma muito agressiva e atípica para nós. Nesse ponto, entendemos que temos algo que ninguém mais tem, que pode potencializar o futuro dos veículos elétricos ”.

Com uma gama de protótipos já construídos para validar e demonstrar a tecnologia, a empresa está colaborando ativamente com a Mitsubishi, Musashi, Linamar, Tenneco e NXP, além de outros “OEMs líderes”. Barel diz que espera que os primeiros veículos de arquitetura REE entrem no mercado por volta de 2023.

“Acho que a entrega autônoma será a primeira, por causa dos regulamentos de veículos de baixa velocidade que estão por aí permitindo uma taxa de adoção mais rápida”.

O CEO da startup acredita que, com o chassi modular, que aumentou em cerca de 50% a 70% do volume disponível, os veículos comerciais para entrega de última milha serão um forte incentivo para os negócios.

Barel argumenta que este tipo de design disruptivo só poderia ter vindo de fora da indústria. “Nossa relativa ignorância do mundo automotivo – nós não viemos de 30, 40, 50 anos de hardcore – essa foi a nossa maior força. Nós não estamos confinados nos velhos conceitos e paradoxos de como as coisas deveriam parecer, e como as coisas deveriam funcionar”.

Startup israelense reinventa roda

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta