17 de abril de 2024

Planejando a mobilidade urbana com gêmeos digitais

gêmeos digitais

Cidades são sistemas complexos de inúmeras partes móveis, incluindo transporte, saúde, indústrias, desenvolvimento urbano e muito mais, que exigem recursos maciços para serem gerenciados. Visualizar como todas essas partes se encaixam e funcionam juntas é de uma complexidade assustadora, mesmo para aqueles municípios dotados de recursos. Mas os avanços da tecnologia agora permitem que autoridades locais criem modelos digitais da cidade habilitado para IA ou os chamados gêmeos digitais.

Um gêmeo digital urbano é um modelo virtual 3D que reflete com precisão o ambiente urbano físico. A cidade virtual pode fazer simulações, estudar questões de desempenho e gerar possíveis melhorias. Os insights gerados podem então ser aplicados de volta ao ambiente físico original. Por exemplo, os planejadores podem usar um gêmeo digital para prever os tempos de trânsito entre duas áreas dentro de uma cidade, juntamente com dados socioeconômicos para determinar os locais ideais para os serviços públicos acomodarem melhor os moradores carentes.

Embora ainda nascentes, as cidades digitais estão emergindo como a base da cidade inteligente. Aplicadas em escala, as cidades digitais podem ajudar a enfrentar os desafios que assolam os centros urbanos, incluindo congestionamento, poluição e pressão sobre os recursos, especialmente água e energia. As cidades representam hoje 54% da população mundial, que crescerá para 70% até 2050. As cidades também respondem por 75% do consumo global de energia e 80% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Os dados são base fundamental de uma cidade digital. Sensores, radares, GPS e câmeras de trânsito coletam milhões de dados diariamente sobre infraestrutura, processos e operações – como mobilidade e infraestrutura –, e podem ser expostos em plataformas de análise avançada. Esses dados podem gerenciar melhor os recursos, ativos e serviços e melhorar as operações. Em última análise, os insights fornecidos por esses dados ajudam as cidades a realizar iniciativas específicas e melhorar a vida de seus cidadãos.

Como podemos reduzir o congestionamento? Onde devem ser adicionadas novas ciclovias? Como melhorar o transporte público? Os novos serviços de micromobilidade podem complementar efetivamente os serviços existentes? As cidades enfrentam uma centena de decisões importantes em termos de mobilidade todos os dias. Gêmeos digitais de uma cidade ou região permite aos planejadores percorrer essas questões em um modelo virtual e testar todos os cenários possíveis. Isso os ajuda a manter a visão geral, a tomar as decisões corretas e reduz os custos, bem como a chance de falhar no mundo real.

Estes são apenas alguns exemplos do potencial das cidades digitais para mudar a forma como nos locomovemos, trabalhamos e nos divertimos. Cada vez mais deveremos recorrer a tecnologias inovadoras para proteger cidades contra choques atuais e futuros.

Novas medidas podem ser simuladas e analisadas antes de serem colocadas em prática no mundo real. Os planejadores trabalham com os chamados cenários hipotéticos.

Um exemplo: o que acontecerá quando os veículos autônomos estiverem conquistando nossas ruas? Como eles irão interagir com veículos convencionais? Quais oportunidades e riscos potenciais essa nova tecnologia terá para o planejamento urbano e de transporte? Exatamente essas questões podem ser abordadas no modelo, colocando os veículos autônomos nas ruas virtuais.

Cidades inteligentes construídas em plataformas de gêmeos digitais podem ajudar a enfrentar os desafios atuais, prever ocorrências futuras e resolvê-los de forma proativa, ao mesmo tempo em que criam novos modelos socioeconômicos para o benefício das comunidades e do planeta.