BOMBARDIER – O primeiro Learjet 75 entregue no Brasil

learjet 75
Learjet 75

A Bombardier, fabricante de aviões e trens, chegou à metade de 2017 com presença ainda mais consolidada na América Latina. A empresa canadense anunciou a entrega da primeira aeronave Learjet 75 para um cliente brasileiro – cuja identidade não foi revelada – e o primeiro fornecimento de uma aeronave Challenger 350 para a Argentina. O Learjet 75 é um jato leve com preço divulgado de US$ 13,8 milhões e uma frota de, aproximadamente, 510 unidades na América Latina. O Challenger 350 é um jato de médio alcance, avaliado em US$ 26,67 milhões, e conta com 122 aeronaves na mesma região.

O Global 6000 permite ir de São Paulo a Lisboa, sem paradas

A América Latina é o terceiro maior mercado para a aviação executiva, sendo que Argentina, Brasil, México e Venezuela representam mais de 80% da frota regional. A Bombardier tem uma frota de jatos executivos nessa região composta por cerca de 685 unidades dos modelos Learjet, Challenger e Global e mantém um escritório regional de apoio em Toluca, no México, como forma de dar suporte aos seus clientes locais.

Interior do Global 6000 da Bombardier

De acordo Stephane Leroy, vice-presidente de vendas da Bombardier Business Aircraft para a América Latina, o Brasil é um importante mercado para os negócios da empresa e foi com base nessa relevância que a companhia escolheu dois modelos específicos de aeronaves para expor na maior feira do setor na América Latina, a Latin American Business Aviation Conference and Exhibition (Labace), que aconteceu na semana passada, em São Paulo.

O Challenger 350 é um jato de médio alcance, avaliado em US$ 26,67 milhões

Em sua área de exposição, a Bombardier apresentou um exemplar do Global 6000 – um jato de longo alcance, com valor de mercado de US$ 62,3 milhões –  e um Challenger 350, jatos que, segundo Leroy, exemplificam a gama de produtos mais apreciados no Brasil. “O Global 6000 permite ao cliente ir a qualquer lugar entre São Paulo e Madri ou Lisboa, sem paradas. Como o Brasil está bem ao sul da América do Sul, os clientes precisam de uma aeronave com esse alcance, que possa levá-los à Europa sem parada. Mas nem todas as empresas brasileiras vão para a Europa ou para a China, algumas delas têm negócios nos Estados Unidos ou na própria América do Sul, então, neste caso, elas usam o Challenger 350. Por isso trouxemos os dois produtos mais apreciados e mais usados pelos clientes brasileiros”, declarou Leroy.

Interior do Challenger 350
Novas tecnologias 

A Bombardier também decidiu trabalhar mais a divulgação dos diferenciais tecnológicos de suas aeronaves. A companhia introduziu no Global 6000 um sistema de internet de alta velocidade que agiliza as atividades dos executivos que trabalham a bordo. Outra vantagem apontada na aeronave Bombardier são as asas flexíveis que absorvem choques dando maior estabilidade para tornar o voo mais suave e agradável. “Estamos agora fazendo o mercado entender melhor a importância de itens como estes”, afirmou Leroy.

Stephane Leroy, vice-presidente de vendas da Bombardier Business Aircraft para a América Latina

A internet de alta velocidade é um dos itens que já estarão no novo Global 7000, a mais nova aeronave Bombardier que deverá ser apresentada ao mercado no segundo semestre de 2018, está em fase adiantada de testes, e tem valor estimado de US$ 72,8 milhões. Depois dela virá o Global 8000, que pretende ser o jato executivo de maior alcance do mercado.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta