O novo Volvo XC 60 e a expectativa de um mundo melhor no futuro

novo Volvo XC 60

O novo utilitário esportivo XC 60 chega ao Brasil sob o forte impacto positivo do anúncio da Volvo Cars de se só produzir carros elétricos e híbridos a partir de 2019, eliminando de suas fábricas o motor a combustão.  Aproveitando esse bom momento, o modelo vem recheado de atributos para tentar retomar a liderança entre os SUVs médios de luxo no país.

Antes de começar a descrever a sensação de dirigir um veículo de alta sofisticação como o XC 60, vale ressaltar o conceito por trás da marca Volvo, uma marca sempre preocupada com a expectativa de um futuro melhor. Mais do que luxo, acabamento primoroso e alto grau tecnológico, perpassa pelos carros da empresa a filosofia de lealdade e honestidade da marca – valores arraigados na formação da sociedade sueca.

 

 

Vem daí o esforço da Volvo em melhorar continuamente a segurança não só dos seus veículos, mas também de dar contribuições importantes para a toda a indústria automobilística, como no caso do cinto de segurança de três pontas quando a empresa decidiu não cobrar royalties ao abrir mão de patentear a invenção cerca de 50 anos atrás.

Lançar-se ao desafio de conquistar a meta de zero morte em seus carros em 2020 é dessas coisas que inspiram o ser humano. Será fantástico vê-la atingir essa conquista. Como também causou profunda sensação de confiança a decisão de a empresa eliminar os motores a combustão, virando uma página e colocando a humanidade em novo patamar.

Tudo isso dito e somado, a Volvo tem tudo para conquistar cada vez mais a admiração do público brasileiro, não só aqueles com poder aquisitivo para ter o privilégio de comprar um dos seus formidáveis produtos. Essa estratégia clara motiva seu jovem e focado time, liderados pelo presidente Luís Resende, no crescimento da marca que só sobe degraus em nosso mercado – em pouco tempo, a Volvo Cars  passou de um faturamento de R$ 80 milhões para cerca de R$ 1 bilhão no Brasil.

 

Conjunto LED óptico que incorpora quatro funções nos seus faróis com luzes no formato do martelo de Tor: autodirecionais que acompanham o giro do volante; que se adaptam à luz alta para evitar o ofuscamento; o nivelamento e acendimento automático

Em relação ao modelo interior, o novo XC 60 evoluiu – e muito. O design externo está muito mais equilibrado, principalmente, com a traseira em harmonia (lanternas espetaculares) ao conjunto do veículo – alguns críticos achavam a parte de trás o ponto fraco do modelo anterior.

A frente está imponente, realçada pelo conjunto LED óptico que incorpora quatro funções nos seus faróis com luzes no formato do martelo de Tor: autodirecionais que acompanham o giro do volante; que se adaptam à luz alta para evitar o ofuscamento; o nivelamento: e acendimento automático.

 

 

As laterais e o teto estão muito bem integrados, mudando a característica do próprio conceito de SUV, que geralmente são jipes pesadões. Mesmo com suas duas toneladas e mais 9 mm de entre-eixos (que deixou muito mais espaço interno para os passageiros), o XC 60 não tem aquele jeitão de “trambolho” que muitos utilitários esportivos aparentam no trânsito.

Um ponto negativo do XC 60 90 é o aperto que se sofre para adentrar ao habitáculo quando o assento do motorista ou passageiro está numa posição muito elevada. A cabeça bate na coluna. É preciso ajustar o banco para baixo mesmo para uma pessoa com estatura mediana de 1,70 m, para superar o desafio.

Na parte interior, em qualquer uma das três versões, há uma profusão de esportividade, elegância, requinte e sofisticação.  Os acabamentos em metais ou madeira (como o da cor de casas envelhecidas da Suécia) fazem do interior uma obra de arte, aliado o teto panorâmico e um painel primoroso. Volante esportivo com a possibilidade de trocas das oito marchas no câmbio automático com em borboletas no volante aumentam a sensação de bem-estar.

 

O design externo do novo XC60 está muito mais equilibrado, principalmente com a traseira em harmonia (lanternas espetaculares) ao conjunto do veículo

 

Esse sofisticação e conjunto elegantes fazem da Volvo XC 60 um carro premium, mas,  como diz seu marketing, sem excessos. Essa característica o diferencia da concorrência, onde o glamour, às vezes, fala mais alto. Por isso, o Volvo XC conquista o consumidor que quer tecnologia, segurança,  e sofisticação e inovação,  mas que preserva a discrição.

A versão de entrada é Momentum, com preço anunciado de R$ 235.950, que deverá somar 40% das vendas na projeção da Volvo. Com preço de R$ 259.950, a intermediária Inscription deverá somar 30% dos pedidos. A topo de gama, é a R-Design, com preço de R$ 263.950, realçando conceitos de esportividade.

O que dá a certeza para a Volvo de sucesso da nova XC 60 é a reação dos consumidores ao novo produto. A pré-venda já soma 200 reservas. O carro só estará à disposição a partir de setembro, quando será oficialmente lançado na rede de 29 concessionários pelo país. Neste fim-de-semana, a marca recebe clientes em um estúdio montado exclusivamente em São Paulo para o lançamento do veículo.

Em sua estratégia para a imprensa especializada, a Volvo fixou como pontos chaves a nova plataforma SPA (Scalable Product Architecture, a mesma dos carros da série 90 (XC90, S90 e V90), a direção dinâmica, a conectividade, a segurança passiva e ativa, a mitigação de pista oposta e a direção semi-autônoma, entre outras inovações.

 

 

Entre todos esses conceitos, o que mais chamou a atenção do FutureTransport foi o sistema de direção semi-autônoma,  a mitigação de pista oposta e o aviso no retrovisor do ponto cego. Num longo teste drive pelo interior paulista, num circuito que envolveu tanto as ótimas estradas pedagiadas, como trechos de terra e lama, o XC 60 mostrou o quanto é importante contar com recursos que lhe mantém seguro na pista mesmo em dias atípicos de muita chuva como a que vivemos em todo o Estado de São Paulo na quinta e sexta-feira. Só esses atributos já valeriam a compra do carro.

O Novo XC60 está equipado com tração integral AWD (All Wheel Drive), sempre amparado por um controle dinâmico de estabilidade e tração. O controle do veículo se dá por meio de diferentes modos de condução. São cinco opções de ajuste de tração, que alteram rotação para mudança de marcha, resposta do acelerador, suspensão e peso da direção: Eco (otimiza o consumo); Confort (suavidade); Off-road (estradas de terra); Dynamic: (esportividade) e Individual: (customiza a configuração).

O modelo dispõe de transmissão automática de 8 velocidades acoplada ao renovado motor T5 Drive-E, de 2 litros, 4 cilindros em linha, com turbocompressor e injeção direta de gasolina que produz 254 cavalos de potência máxima e 350 N.m de torque entre 1.500 e 4.800 rpm. Trata-se de um propulsor reconhecido por sua eficiência e baixo nível de emissão de poluentes.

Já está nos planos da Volvo trazer a XC 60 híbrida no ano que vem, como parte da política da empresa de apostar em motores mais eficientes e elétricos.

 

XC 40, um SUV mais compacto, tem previsão de chegar ao Brasil em 2018

 

Desde seu aparecimento há oito anos, o XC 60 já vendeu 1 milhão de unidades no mundo. Aqui, somados os últimos 12 meses, vendeu 1,2 mil unidades, numa curva descendente já que o modelo antigo perdia apelo de compra. Agora, com sua renovação total, tem potencial para vender um volume superior a 3 mil unidades por ano, isso em um mercado recessivo como o nosso. A disputa com o Q5, que a Audi também acaba de lançar, vai ser boa. A Volvo considera que seu pacote de tecnologia deixa o novo XC muito à frente do concorrente direto. Seja como for, a Volvo chega para brigar. Para o ano que vem está previsto a chegada do XC 40, que é um SUV mais compacto. A disputa promete. Com todos os atributos do XC 60 e mais seu motor híbrido no ano que vem (a versão a diesel D5, também programada para 2018), dão a Volvo um respeito e a certeza de dias cada vez melhores no Brasil. Isso é muito importante para uma marca, que em 2017 completa 90 anos, que sempre se pautou pela retidão para se antecipar ao futuro do transporte e da mobilidade humana.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta