14 de abril de 2024

Mobilidade compartilhada e MaaS podem impulsionar a adoção de veículos elétricos

mobilidade compartilhada

Você não está sozinho quando enfrenta o trânsito para chegar tarde à sua casa ou ao escritório. Milhões de pessoas vivem a mesma história diariamente e uma mudança de comportamento, apoiada em conectividade pode mudar para melhor nossos deslocamentos diários.

Embora a mobilidade como serviço não seja um conceito relativamente novo, ainda temos um longo caminho a percorrer para torná-los uma parte crucial de nossos sistemas de transporte público.

O sistema metroferroviário da região metropolitana de São Paulo, por exemplo, tem uma das melhores redes do país, servida por cerca de 370 km de trilhos distribuídos em 183 estações. Mesmo assim, a distância média que uma pessoa tem para viajar de sua casa até uma estação é superior a três quilômetros – apenas 18% da população reside a até um quilômetro de alguma estação.

Estes três quilômetros não podem ser percorridos facilmente a pé. E se alguém usa um veículo pessoal para cobrir a distância, há a necessidade de possuir o veículo além dos problemas de estacionamento. Na verdade estudos mostram que mais de 45% dos moradores da região metropolitana de São Paulo não possuem veículos próprios e são integralmente dependentes do transporte público.

Estes números mostram como a mobilidade compartilhada poderá contribuir significativamente para os deslocamentos diários das pessoas no futuro.

Ela não apenas permite que vários viajantes usem o mesmo veículo de forma acessível, mas também alivia os usuários das dificuldades de estacionamento pelo fato que o compartilhamento prevê zonas de estacionamento dedicadas. Assim, a mobilidade compartilhada torna-se uma parte importante no mix de mobilidade.

Embora a mobilidade como serviço (MaaS) possa ser implementado de forma eficiente pelo setor privado, ela precisa do apoio das autoridades municipais e formuladores de políticas para tornar os veículos elétricos (EVs) compartilhados facilmente acessíveis e integrados ao transporte público.

Enquanto a mobilidade compartilhada cria uma solução econômica e livre de congestionamento para os passageiros diários, os EVs adicionam o benefício de ser uma opção de mobilidade verde que reduz a pegada geral de carbono. Uma vez que isso se torne o objetivo das administrações municipais, o futuro mix de mobilidade dos passageiros não apenas parecerá diferente do que é hoje, mas também consumirá menos tempo e será mais sustentável.

mobilidade compartilhada
Desde 2016 o Vamo, de Fortaleza, oferece serviço de compartilhamento com veículos elétricos

A mobilidade compartilhada permite que vários viajantes usem o mesmo veículo sem grandes despesas ou compromissos de longo prazo, como pagamentos de empréstimos e custos regulares de manutenção. O uso massivo de dados também pode contribui para adicionar padrões de deslocamento em cima de suas informações de rede, oferecendo alta disponibilidade e conveniência para os passageiros, conectando, por exemplo, com sistemas de transporte rápido de massa, como o sistema metroferroviário.

Algumas iniciativas, ainda que tímidas, caminham nesta direção. O Veículos Alternativos para Mobilidade (Vamo), de Fortaleza, foi o primeiro serviço de compartilhamento de carros elétricos do Brasil e da América Latina. A iniciativa surgiu em setembro de 2016 com o objetivo de ofertar à população da cidade uma opção de mobilidade urbana sustentável individual. O sistema conta com 13 estações que oferecem modelos E6, da marca BYD, e veículos Zoe, da Renault.

mobilidade compartilhada

Em São Paulo, a Beepbeep oferece o compartilhamento de veículos elétricos nas cidades de São Paulo, Guarulhos, Campinas e São José dos Campos. É possível retirar o veículo em uma das 60 estações disponíveis e deixar em outra. A frota conta com carros dos modelos Renault Zoe e Chery Arrizo 5e.

Também em São Paulo, previsto para iniciar suas operações em 2023, está o Veículos Elétrico Compartilhado (VEC), desenvolvido pelo Itaú.

O VEC, a exemplo dos outros serviços, funcionará através de um aplicativo, onde o motorista fará um cadastro, e através de um mapa poderá localizar a estação mais próxima dele. A abertura e travamento das portas também irão funcionar através do aplicativo.