Logística integrada é aposta do BH Airport para crescer

BH Airport

Na busca por novos clientes no setor aeroportuário, o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte (MG) busca se diferenciar da concorrência. Privatizado, o terminal oferece um novo serviço de logística integrada – a armazenagem pode durar além do tempo de desembaraço da carga, funcionando como um galpão terceirizado.

Segundo o diretor de Operações e Desenvolvimento de Negócios da BH Airport, Adrian Elkuch, o novo conceito faz parte da estratégia corporativa com objetivo de oferecer serviços e preços adequados às necessidades individuais dos clientes, principalmente no segmentos de cargas de alto valor agregado.

Serviço batizado de “entreposto aduaneiro”, o terminal afirma que é o primeiro do País a adotar o regime especial, que permite armazenamento de mercadorias e produtos importados em local alfandegado credenciado pela Receita Federal. Durante a permanência no aeroporto, os produtos contam com suspensão de tributos e podem ser nacionalizados de acordo com a demanda dos clientes.

Na visão do aeroporto, esse sistema assegura vantagem competitiva às empresas. “A liberação das mercadorias de maneira fracionada permite ganhos com a gestão de estoques, fluxo de caixa e com o armazenamento”, afirma Peter Robbie, gestor de Soluções Integrada do Aeroporto.

Em 2018, o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte registrou crescimento de 10% no volume de cargas internacionais transportadas em relação ao ano anterior. Foram 11 mil toneladas de produtos dos setores eletroeletrônicos, aeroespacial, automotivo, farmacêuticos e equipamentos médicos, além de mineração e ferroviário entre outros.

Para dar conta de novas modalidades de serviços, o BR Airport vai investir R$ 10 milhões. Com a nova solução de logística integrada, o terminal prevê potencial de US$ 1 bilhão em exportações e US$ 2 bilhões em importações.

Desde que assumiu as operações do aeroporto, em agosto de 2014, a concessionárias investiu R$ 14 milhões na reconfiguração do terminal de cargas, com ampliação dos espaços, compra de câmaras refrigeradas.

Também foi construída área dedicada à movimentação de cargas domésticas para companhias permitindo sinergia entre as operacionais nacionais e internacionais, novas salas para operadores logísticos e despachantes.

Um novo prédio anexo para uso exclusivo de órgãos anuentes, portarias com controle rigoroso de acesso e segurança 24 horas garantem um novo padrão na operação do BR Airport.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta