Lilium Jet entra na corrida pelos táxis voadores

lilium jet

Com a promessa de transportar passageiros do centro de Manhattan para o aeroporto JFK em apenas cinco minuto, a empresa alemã Lilium deu outro passo para criar seu táxi voador elétrico de cinco assentos chamado Lilium Jet.

Em cinco de setembro, a Lilium anunciou o recebimento de outra rodada de financiamento, no valor de US $ 90 milhões, que será usado para o desenvolvimento adicional da aeronave, bem como para aumentar sua equipe para mais de 70 pessoas.

 

A promessa da inovadora forma de mobilidade urbana, que salta sobre os problemas de  infra-estrutura terrestre, é a parte que atraiu a Tencent, o maior provedor de serviços de internet da China, a investir no Lilium. Outros apoiadores incluem LGT Group of Lichtenstein, o co-fundador do Twitter Evvious Ventures e o investidor britânico Atomico, trazendo o capital total da empresa para mais de US $ 100 milhões.

A economia e a eficiência do jato significam que os vôos deverão custar menos do que a mesma viagem em um táxi em estradas normais. David Wallerstein, diretor da Tencent diz que “as tecnologias de transporte desempenham um papel fundamental na estruturação de nossa vida cotidiana. As aeronaves eVTOL de energia elétrica da Lilium oferecem novas opções de mobilidade que podem beneficiar as pessoas ao redor do mundo.”

“De regiões subdesenvolvidas com infra-estrutura rodoviária pobre, para o mundo desenvolvido com congestionamento e expansão do tráfego, novas possibilidades emergem quando um vôo diário conveniente torna-se uma opção para todos nós,” completou David.

A empresa espera ter seu primeiro vôo tripulado em 2019 e ter uma série de aeronaves comercializadas em 2025 – eles forneceriam um serviço similar ao da Lyft e do Uber.

A startup alemã quer usar o dinheiro para construir um protótipo que possa acomodar cinco pessoas e voar a uma velocidade de até 300 km / h.

“Nós pensamos que nossa tecnologia pode ser adotada rapidamente em áreas urbanas ou entre cidades – tudo o que você precisa é uma pista de pouso”, disse Remo Gerber, CCO da Lilium. “Estamos à procura de parceiros que possam operá-lo, a um custo semelhante ao transporte ferroviário ou ao táxi para passageiros”.

Esse novo e inusitado modo de transporte já atraiu investimentos da Daimler na startup  Volocopter (veja matéria), bem como da Airbus, que está apoiando um projeto de vôo automatizado chamado Vahana. (saiba mais)

Ainda em fase de protótipo, essas tecnologias precisarão de uma autorização regulamentar antes que a implantação comercial ocorra.

Fundada em 2015 por um quarteto de universitários da Universidade Técnica de Munique, a Lilium contratou funcionários seniores da Gett Taxis, Airbus e Tesla.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta