HTT pretende trazer ao Brasil sistema de transporte de carga a 1.223 km/h

hyperloop

A Hyperloop Transportation Technologies (HTT) está mais um passo à frente de revolucionar os transportes pelo mundo, anunciando um novo acordo que iniciará o estudo de rotas entre as cidades norte-americanas de Cleveland e Chicago. Com o Hyperloop em funcionamento, a tecnologia poderá fazer o transporte de passageiros e carga a velocidades de até 1.223 km/h, utilizando apenas energia renovável para seu funcionamento. O acordo para iniciar o estudo de viabilidade dessas rotas foi assinado entre a Agência de Coordenação Northeast Ohio Areawide (NOACA) e o Departmento de Transportes de Illinois (IDOT).

 

Projeto da estação do Hyperloop em Chicago

Segundo os dirigentes da HTT, diversos corredores já foram identificados para o estudo na ligação entre as duas cidades. O apoio ao sistema Hyperloop da HTT tem sido amplo em toda a região, com a legislatura de Ohio aprovando uma resolução para a iniciativa em 2017. Em janeiro deste ano, a HTT trabalhou ao lado de um grupo bipartidário de representantes do Congresso de vários estados, incluindo Illinois, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin, que enviou uma carta formal ao presidente Donald Trump solicitando suporte de financiamento de infraestrutura para desenvolver o sistema.

O Brasil também está no foco da HTT para implantação
do inédito sistema de transporte de altíssima velocidade

No Brasil, a equipe da HTT já está em negociação com o governo federal, com os governos estaduais e as municipalidades, que pretendem inaugurar no país o primeiro centro global de Pesquisa & Desenvolvimento para transportes para frete da HTT. Outro player na disputa atualmente é a China, que busca centralizar o centro no país como parte das apostas em tecnologias sustentáveis e inovadoras para escoar a produção industrial. A aposta da HTT nos países não é apenas para construir a tecnologia localmente, mas também envolver e capacitar engenheiros, cientistas e muitos outros especialistas para ajudar a construir esse novo meio de transporte.

Para o país, o investimento para o Hyperloop Cargo Innovation Center no Brasil está previsto em cerca de US$ 6 milhões, sendo metade desse valor levantado por parceiros brasileiros interessados em trazer o sistema de transporte para o país e a outra metade pela HTT.  A tecnologia já está pronta e, com um projeto aprovado e devidamente financiado, é possível implementar uma linha em 36 meses. Recentemente, a empresa abriu com a JP Morgan uma nova rodada de investimentos de US$ 250 milhões e busca parcerias locais para lançar a tecnologia em PPP (Parceria Público-Privada).

Como parte deste movimento crescente, a HTT formou um consórcio regional em torno do projeto para incluir diversas outras organizações importantes. Um evento está agendado para 26 de fevereiro em Cleveland, no Great Lakes Science Center, onde serão revelados detalhes adicionais, juntamente com a crescente lista de membros do consórcio.

“Os regulamentos são a última barreira para a implementação do Hyperloop, e estamos entusiasmados em construir a primeira parceria público-privada real para trazer as viagens de Hyperloop aos EUA”, afirma Dirk Ahlborn, CEO da HTT. “Com este acordo, recebemos para o nosso movimentos novos parceiros inovadores e líderes do setor, tanto no governo como na indústria˜, afirma ele.

“É bastante surpreendente ver quantos parceiros a Hyperloop Transportation Technology já tem no desenvolvimento do Hyperloop”, disse Grace Gallucci, diretora executiva da NOACA. “E eles estão desenvolvendo essas parcerias em todo o espectro: com instituições acadêmicas, com instituições governamentais, com o setor privado.”

“Nós viemos aqui porque lugares como Cleveland, Chicago e Pittsburgh têm a capacidade fabril, as matérias-primas e as pessoas talentosas e trabalhadoras para que isso aconteça”, disse Andrea La Mendola, diretora global de Operações da Hyperloop Transportation Technologies. “Nós podemos obter tudo dessa área. Este é um lugar onde você faz grandes coisas”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta