Futuro é a palavra de ordem na Fenatran 2017

Futuro é a palavra de ordem na Fenatran

Futuro. Sem dúvida, essa foi a palavra mais pronunciada pelos executivos que comandam a indústria de caminhões nas entrevistas coletivas de abertura da Feira Nacional do Transporte (Fenatran), realizada o último domingo (15.10), no Expo Center, em São Paulo.

Com a crise dando sinais de arrefecimento, as principais marcas de veículos comerciais investem em produtos para mostrar ao transportador brasileiro que o setor só tem a ganhar com operações cada vez mais eficientes proporcionadas pelos enormes avanços tecnológicos que estão e vão acontecer em velocidades cada vez maiores.

“Estamos apenas arranhando a superfície”, anunciou Martin Lundstedtt, CEO e presidente da Volvo que esteve prestigiando a abertura da Fenatran 2017. “As transformações que vamos ver nos próximos 10 anos nesta indústria serão mais transformadoras e impactantes que as mudanças ocorridas nos últimos 50 anos.”

Conectividade, autonomia eletrificação são temas recorrentes em quase todos os estandes – mesmo em que pese a realidade do mercado brasileiro, onde a infraestrutura dificulta um rápido salto tecnológico.

Além de atender as necessidades dos dias atuais com caminhões e soluções cada vez mais modernos, os fabricantes se esforçam também para desenvolver as necessidades do dia do transporte, que se esforça para se manter vivo na pior crise da história econômica do país.

Com isso, o estande da Volvo na Fenatran 2017 está apresentando uma série de novidades para os operadores do transporte. “Estamos mostrando os veículos, as tecnologias e os dispositivos de conectividade para aumentar a produtividade do setor”, resume Wilson Lirmann, presidente do Grupo Volvo América Latina.

Entre outros temas, a Volvo destaca em seu estande o primeiro caminhão autônomo já testado em uma operação real e comercialmente viável para o setor de transporte no Brasil. O novo veículo é dirigido também para o segmento sucroalcooleiro, um dos mais importantes do agronegócio.

 

Neste rumo de novas tendências, chamou muito a atenção do e-Delivery, caminhão 100% elétrico desenvolvido pela Volkswagen Caminhões e Ônibus no Brasil com parceiros locais, como a Eletra. Com autonomia para 200 quilômetros, o modelo começa a ser testado pela Ambev no ano que vem para a distribuição de bebidas em São Paulo com PBT de 9 a 11 toneladas.

O Delivery elétrico tem motor WEG AL 160, que entrega 109 cavalos de potencia, com torque máximo de 493 Nm. A transmissão é automática Allison. É equipado com bancos de bateria íon-lítio LifePO4. Além da Ambev, a Heiniken também está interessada no caminhão elétrico.

Além de ter feito sucesso na Alemanha na semana passada onde foi apresentado em um evento de inovação, o caminhão agradou não só aos jornalistas presentes na abertura da Fenatran, como também ao prefeito de São Paulo, João Dória, que, num jantar no domingo à noite com executivos e concessionários da VW/MAN, disse que uma parte da frota de ônibus será elétrica com a nova licitação do sistema da capital paulista.

O presidente da montadora, Roberto Cortez, também apresentou novidades de conectividade embutida no caminhão elétrico, que também pode “dialogar” com o motorista. Ainda na feira, Cortez destacou, entre os mais de 40 produtos exibidos no estande, o protótipo Constellation 33.440 Tractor, destinado às aplicações de madeira e cana-de-açúcar, além do MAN TGX 29.480, crossover que enfrenta rotas mistas de asfalto e terra.

A Mercedes-Benz avançou em conectividade com Fleetboard Telediagnose, que faz a gestão do caminhão onde quer que ele esteja, e pela ampliação dos negócios com o TruckPad, que permitirá à marca se conectar com os motoristas 24 horas por dia.

“Essas tecnologias reforçam a tendência crescente do uso da conectividade e da interatividade para obter mais disponibilidade do veículo”, ressalta Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina. “A partir de janeiro de 2018, todos os caminhões Actros sairão de fábrica com o Fleetboard, tornando a Mercedes-Benz cada vez mais conectada ao mundo digital.”

No meio de tanta tecnologia, a Mercedes-Benz lança Actros Série Especial inspirado nos modelos clássicos L-1111 e L-1113, campeões de vendas entre todos os caminhões da marca. O Actros Série Especial será limitado e exclusivo a 21 unidades, o que é um tributo à 21ª edição da Fenatran.

A Mercedes-Benz estima que as vendas de caminhões deverão crescer aproximadamente 20% no mercado brasileiro em 2018. Já puxam as vendas o transporte graneleiro e canavieiro, além da mineração, gases, líquidos, combustíveis e produtos frigorificados. “Haverá demanda por muito caminhão”, avalia Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “O nível de consulta por parte dos clientes vem aumentando de forma consistente, o que confirma essa tendência”.

Nesta edição da Fenatran, a Scania aposta em soluções inteligentes, conectadas e sustentáveis para ampliar a rentabilidade do transporte. A montadora faz o lançamento de cinco caminhões, entre eles o off-road Heavy Tipper e a expansão da linha V8, com o cavalo adaptado para o rodotrem de 11 eixos.

Em serviços, a fabricante apresenta o Programa de Manutenção com Planos Flexíveis ao mercado brasileiro, modalidade em que, por meio da conectividade, o veículo informa o momento ideal de parar para a manutenção. A nova solução de condução econômica, o Driver Services, que orienta o cliente por meio de um conjunto de ações focadas no motorista e dispõe de treinamento e coaching personalizado, que proporcionam a evolução no modo de direção.

“Na Fenatran 2017, a Scania participa de forma consistente com soluções inteligentes, conectadas e sustentáveis. A partir de agora, nossas novidades de produtos e serviços elevam o mercado a outro nível para surpreender e atender o cliente”, afirma Roberto Barral, diretor-geral da Scania no Brasil.

A operação de caminhões da Ford também apresentou dois projetos para o futuro dos veículos comerciais: o Cargo Connect, com tecnologias semiautônomas e de conectividade de última geração apoiadas em câmera e radares que melhoram o desempenho e a segurança. Além disso, pesquisa o Boné Alerta, voltado para a proteção do motorista e prevenção de acidentes, com sensores que monitoram sinais de sonolência.

Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul, afirmou que a semiautonomia será a melhor proposta para o mercado brasileiro, que ainda não pode pagar por tecnologias mais desenvolvidas. “Temos uma estrutura local de engenharia e testes altamente especializada, que conhece muito bem o mercado e as necessidades dos clientes, e continuaremos a trabalhar para ter uma presença forte nessa indústria.”

A DAF lança três caminhões na Fenatran. O CFB5 o XF105 são voltados a aplicações de cana e madeira. Os dois produtos são frutos de um investimento de R$ 50 milhões em parceria com a engenharia brasileira e holandesa. O terceiro caminhão é o XF105 4×2 destinado ao rodoviário. A DAF comemora quatro anos no Brasil com avanço no market share. “Estamos entrando em segmento com grande potencial comercial”, afirma Luís Gambim, diretor comercial da DAF Caminhões Brasil.

Com perda de participação de mercado e redução de concessionárias, a Iveco quer retomar a trajetória de crescimento no mercado brasileiro. Para isso, o diretor de marketing, Ricardo Barion, anunciou investimento de R$ 120 milhões em pesquisa e desenvolvimento de produto. Ele comparou os 20 anos de atuação de uma empresa a um jovem. “Quem com 20 anos não tem energia para crescer e se firmar?”, questionou.

Segundo Barion, os recursos sustentarão lançamentos para os dois próximos anos. Também foram aplicados em novidades que já estão em exibição no estande da marca na feira, como novas versões do Daily City, do Tector de 8, 11 e 13 toneladas, além de um modelo do caminhão médio com câmbio automatizado.

Como se vê, mesmo diante da pior crise, a indústria não deixou de apresentar novidades. O nível da feira neste ano é um dos mais altos já visto na Fenatran, com estande impecáveis. O evento está em pé de igualdade com os grandes salões realizados nas cidades mais importantes do mundo. É a indústria comprovando a importância do mercado latino-americano, a partir do Brasil.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta