FCA apresenta proposta de fusão ao Grupo Renault

FCA propõe fusão com a Renault

FCA propõe fusão com a Renault – A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) entregou hoje (27/05) carta ao Board do Grupo Renault propondo uma combinação de seus respectivos negócios como uma fusão 50/50. A proposta da FCA vem na sequência de discussões operacionais iniciais entre as duas companhias para identificar produtos e regiões onde elas poderiam colaborar, particularmente na medida em que elas desenvolvem e comercializam novas tecnologias.

FCA propõe fusão com a Renault

A fusão dos dois grupos criaria a terceira maior empresa do setor. O negócio combinado teria vendas anuais de aproximadamente 8,7 milhões de veículos, seria uma líder mundial em tecnologias de veículos elétricos, marcas premium, SUVs, picapes e veículos comerciais leves, e teria uma presença global mais ampla e equilibrada do que cada uma das empresas separadamente.

O Conselho de Administração da Renault também se reuniu hoje para examinar a proposta recebida da FCA e “decidiu estudar com interesse a oportunidade de uma aproximação, para fortalecer a presença industrial do Grupo Renault e gerar valor adicional para a Aliança”.

Segundo a montadora francesa, será emitido um comunicado para informar ao mercado sobre os resultados destas discussões em momento oportuno, de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis.

A FCA propõe fusão com a Renault e não prevê fechamento de plantas. Sob os termos da proposta, acionistas de cada companhia receberiam uma porção equivalente de ações na futura companhia. A combinação seria mediante uma fusão sob uma companhia holandesa. O Board da entidade combinada seria composto inicialmente por 11 membros, sendo a maioria independente e com igual representação de quatro membros pela FCA e Groupe Renault, assim como um indicado pela Nissan. A companhia-mãe seria listada na Borsa Italiana (Milão), Euronext (Paris) e Bolsa de Valores de Nova York (NYSE).      

Geograficamente, com base nas vendas globais de 2018 da FCA e do Groupe Renault, a companhia combinada seria nº 4 na América do Norte, nº 2 na Europa, África e Oriente Médio (EMEA) e nº 1 na América Latina, e teria os recursos aumentados necessários para crescer sua participação na região Ásia-Pacífico. Em uma simples base agregada dos resultados de 2018, os rendimentos da companhia seriam de quase €170 bilhões, com lucro operacional de mais de €10 bilhões e lucro líquido de mais de €8 bilhões.    

Enquanto a FCA propõe fusão com a Renault, foca também em uma combinação entre os grupos e espera – como parte de uma companhia  com o Groupe Renault – trabalhar com os parceiros do Groupe Renault na Aliança em formas de criar valor adicional para todos os membros da Aliança. A FCA reconhece a posição e as conquistas dos parceiros do Groupe Renault e enxerga benefícios significativos para todas as partes em uma parceria expandida. A combinação entre a FCA e o Groupe Renault, juntamente com os parceiros Nissan e Mitsubishi, seria a maior aliança de fabricantes de veículos do mundo, vendendo mais de 15 milhões de veículos anualmente. As sinergias adicionais resultantes da fusão da FCA e do Groupe Renault esperadas para acumular para Nissan e Mitsubishi puramente por serem membros da Aliança estão estimadas em €1 bilhão anualmente.  

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta