Expedição avalia Rota do Pacífico para ampliar exportações

rota do pacífico
Porto de Arica, no Chile

A Randon, junto com a ICCAP, distribuidor da marca na região, integram à II Expedição da Rota de Integração Latino-Americana (RILA), que visa desenvolver uma nova rota comercial entre Mato Grosso do Sul e o Chile para ampliar as exportações brasileiras através dos portos do Pacífico.

Segundo, Wilson Ferri, diretor comercial de vendas nacionais da Randon, o objetivo da empresa é apoiar uma iniciativa de seus clientes e outras organizações da sociedade civil e governamental, na busca por alternativas que tornem o transporte e o país mais competitivos. Várias iniciativas estão aumentando a capacidade, via a utilização de portos da região sudeste e sul do país, e outras mais recentes, dos portos da região norte e nordeste, algumas delas pela integração de modais. Porém todas sempre contidas nos limites territoriais brasileiros.

“O RILA é um projeto que pensa numa alternativa também pelo Pacífico, pelas vantagens já relatadas, com uma integração que transcende nossos limites, engloba a sinergia com vias de países vizinhos e tradicionais parceiros comerciais do Brasil”, completou Ferri.

Promovida pelo Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas de MS (Setlog-MS), a iniciativa reunirá 25 picapes e 95 empresários, técnicos e autoridades num trajeto total de 5 mil quilômetros de ida e volta.

Rota Bioceanica

Sustentado por um moderno sistema de navegação e de comunicação, o grupo passará por cidades do Paraguai, Argentina e do Chile, nesta que é a sétima tentativa formal do setor produtivo e que envolve, entre outras questões, a redução de entraves alfandegários, a melhoria das condições das estradas e construção de uma ponte binacional do Rio Paraguai. Após a saída de Campo Grande, a caravana cumprirá agenda oficial em Porto Murtinho (MS), Carmelo Peralta (PY), Pozo Hondo (PY), Jujuy (Arg), Iquiqui (Chl), Antofogasta (Chl), Calama (Chl), Salta (Chl) e Assunção (Py), com retorno previsto para o dia 2 de setembro.

O objetivo maior, além da eficiência, agilidade e redução de custos, é encurtar a distância para os produtos brasileiros exportados para o mercado asiático, como a China, por exemplo. Hoje, esses produtos levam 14 dias de navio pelo Oceano Atlântico, num percurso aproximado de 19.000km. Pelo Pacífico, levaria seis dias e 8000 km a menos.

Esta será a segunda expedição organizada pelo Setlog. A primeira, realizada em 2013, buscava viabilizar uma rota interligando o município de Corumbá, na divisa de Mato Grosso do Sul com a Bolívia, às cidades marítimas de Arica e Iquique, no Chile.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta