25 de julho de 2024

eVTOL e helicóptero, dá para comparar?

evtol e helicóptero, dá para comparar?

É natural comparar um novo conceito com um já conhecido. Pense em quantas startups estão oferecendo serviços sob demanda baseados em aplicativos que prometem ser “O Netflix de alguma coisa” ou o “Uber de seu setor”. Mas, às vezes, fazemos comparações entre tecnologias que são categorias inteiramente novas, não só pela inovação como também pela usabilidade.

O foco dos eVTOLs é a Mobilidade Aérea Urbana (Urban Air Mobility – UAM), que é o uso de pequenas aeronaves altamente automatizadas para transportar passageiros ou carga em altitudes mais baixas em áreas urbanas e suburbanas e que estão sendo desenvolvidas em resposta ao congestionamento do tráfego, diferente dos helicópteros, que tem uma vasta gama de aplicações militares, de patrulhamento, salvamento e resgate, entre outras.

Um ônibus espacial, por exemplo, não é um avião que vai para o espaço: é uma nova categoria de aeronave. Da mesma forma, descrever aeronaves elétricas de decolagem e pouso vertical (eVTOL) como “carros voadores” ou “helicópteros elétricos” não é preciso.

Mais do que um carro voador

De desenhos animados a livros e filmes, a ficção científica nos inspirou a sonhar com o dia em que todos teríamos carros voadores. Mas a realidade dos cidadãos comuns, com uma carteira de motorista que se alterne entre ruas e espaço aéreo não é um farol de esperança; é um marcador de preocupação. 

A promessa das aeronaves eVTOL é que elas libertarão as pessoas do fardo do tráfego diário de passageiros: menos tempo viajando, mais tempo explorando. Os passageiros não ficarão sobrecarregados com a tarefa de manter a aeronave, recarregar as baterias ou localizar um vertiporto para estacionar: eles podem simplesmente aproveitar o passeio enquanto um piloto profissional lida com as coisas difíceis.

Mais que um helicóptero

A capacidade vertical de decolagem e pouso das aeronaves eVTOL faz comparações compreensíveis com os helicópteros, mas as aeronaves eVTOL diferem de várias maneiras cruciais, incluindo emissões, níveis de ruído e segurança.

Primeiro, vamos considerar o impacto ambiental de cada aeronave. O helicóptero médio queima 75 litros de combustível a cada hora – uma taxa de queima que é cara e ruim para o meio ambiente. A aeronave eVTOL emite zero emissões durante a operação, pois depende de baterias independentes em vez de combustível fóssil. 

Do ponto de vista do som, as aeronaves eVTOL são as vencedoras: uma aeronave eVTOL é projetada para níveis de ruído de cruzeiro em torno de algo como 45 dB – mais silenciosos que carros ou até mesmo níveis normais de conversa – enquanto os helicópteros produzem 78 dB de som a uma altitude de cruzeiro de 2.000 pés . Lembre-se de que o som é medido logaritmicamente, portanto, um helicóptero é, na verdade, cerca de mil vezes mais alto do que um eVTOL.

Veja também: Eve da Embraer já possui mais de 1.800 pedidos de eVTOLs

Por fim, temos a questão da segurança. Os projetos de eVTOL parecem um híbrido entre um helicóptero e um avião, alguns com até 12 motores – seis à frente e seis à ré – montados em duas asas. Um dos benefícios do design é que, no caso altamente improvável de qualquer um desses motores falhar, a aeronave pode continuar a voar com segurança. Um helicóptero, por outro lado, tem apenas dois rotores, que servem a propósitos muito diferentes: o rotor principal levanta e move o helicóptero em qualquer direção, enquanto o rotor de cauda faz o helicóptero pairar. Se o rotor principal de um helicóptero falhar, as consequências geralmente são catastróficas. Enquanto a maioria dos helicópteros tem centenas de pontos únicos de falha catastrófica, as aeronaves eVTOL são projetadas para ter zero. 

Aeronaves eVTOL como o futuro das viagens urbanas

As inovações transformadoras têm hora e lugar. As locomotivas a vapor foram uma bênção para o transporte quando foram lançadas, mas hoje muitos trens são movidos a eletricidade. Um carro movido a gasolina foi uma melhoria em relação à potência literal, mas o senso comum nos diz que a eletricidade é o futuro das viagens automotivas. Na mesma linha, as aeronaves eVTOL, para a mobilidade urbana, serão as sucessoras naturais dos helicópteros: uma nova tecnologia que oferece melhores resultados. Rápidas, seguras, ecologicamente corretas, silenciosas e acessíveis, as aeronaves eVTOL podem aproveitar a promessa da mobilidade aérea urbana e transformá-la em uma opção de viagem acessível para quem deseja economizar tempo e dinheiro.

Por outro lado, apesar do conceito eVTOL ser importante, pois há a necessidade de descarbonizar a aviação, pode demorar até que tenhamos baterias ou meios de armazenar energia suficiente para que as aeronaves elétricas sejam práticas ou tenham flexibilidade para longas distâncias como o helicóptero.

A indústria aeroespacial já projeta motores que funcionam com biocombustíveis de aviação sustentável, também caminhando para a neutralidade de carbono a curto prazo.