Estradas que se curam, a próxima revolução nos transportes

estradas que se curam

Recentemente, pesquisadores da Delft University, na Holanda, desenvolveram um asfalto de aço infundido que pode ser aquecido para se livrar de buracos, rachaduras e pedras soltas, economizando assim milhões em reparos de estradas. A tecnologia trabalha adicionando a lã de aço ao betume, o agente de ligação que o asfalto usa para prender a brita.

Christopher Schlangen, um estudante de doutorado na universidade, mostrou que, se o asfalto que conter estas fibras de aço for aquecido usando uma máquina de indução, a bituminação derrete e conseqüentemente, rachaduras e buracos se rejuntam. Isso poderia dobrar sua vida útil.

O potencial para curar estradas tem um sem números de conseqüências positivas. Em primeiro lugar, há os impactos econômicos: Schlangen estima que o governo holandês poderia economizar nove milhões de euros através da implementação de suas estradas, apesar do custo 25% maior para sua instalação.

Além disso, as estradas auto-reparadoras significariam menos pedras soltas, menos buracos para danificar eixos ou rodas e menos estradas sendo fechadas para reparo.

Embora esteja se concentrando em um meio de aperfeiçoar sua fórmula de cura, Schlangen prevê um possível uso futuro: carregar carros nos semáforos. “Colocar fibras de aço no asfalto significa que você pode enviar informações através dele, então pode ser possível carregar veículos elétricos nas estradas em que eles estão trafegando”.

Aquecimento por indução

“Nós adicionamos uma quantidade muito pequena de fibras de lã de aço, menos de um por cento do volume e, em seguida, aplicamos uma placa de indução para aquecer a lã de aço. Quando aquecida ela derrete o betume em torno de si e fecha as micro fendas”, afirma Schlangen. Schlangen disse que testaram o asfalto infundido com aço em uma seção de 400 metros de estrada na Holanda, e os resultados iniciais foram encorajadores.

“Testamos uma seção de 400 metros de estrada no sul dos Países Baixos. Aplicamos calor de indução e ele funciona perfeitamente. Pegamos várias amostras da estrada e envelhecemos no laboratório, colocando-as no forno e pulverizando-as com água e, em seguida, aplicamos o calor de indução. Os testes provaram que podemos dobrar a vida útil da superfície de asfalto ou talvez ainda mais”, disse Schlangen.

Sob a solução de Schlangen, quando as rachaduras começam a aparecer, a cada dois anos, o calor por indução pode ser aplicado às estradas e elas se curarão.

“Você tem que fazer isso antes que eles se transformem em buracos. Você vai na estrada com uma máquina de indução, ela aquece a lã e derrete o betume e, em seguida, as pedras são fixadas novamente “, disse Schlangen.

Essas descobertas são semelhantes aos desenvolvimentos recentes feitos no concreto de auto-cura pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido. Seu projeto envolve o uso de bactérias para criar auto-cura no concreto, de acordo com os mesmos princípios da remineralização óssea.

O projeto da Universidade de Cardiff busca o desenvolvimento de materiais inteligentes que possam auto-diagnosticar danos e auto-cura sem intervenção humana.

O objetivo do projeto, batizado de Resilient Materials 4 Life (RM4L), é ajudar as empresas a incorporar tecnologias auto-reparadoras em sistemas capazes de reparar automaticamente o concreto no ambiente construído.

A RM4L baseia-se no sucesso de seu antecessor, o projeto Materials 4 Life (M4L), que no ano passado empreendeu os primeiros ensaios de concreto auto-reparáveis ??do Reino Unido, usando materiais como polímeros de memória de forma, microcápsulas e redes de fluxo contendo agentes de cura minerais e bactérias formadoras de calcite.

 

1 Trackback / Pingback

  1. Asfaltos regenerativos: tecnologia aplicada na redução dos buracos – CIVILIZAÇÃO ENGENHEIRA

Deixe uma resposta