Parceria entre Eletra e Grupo Moura vai produzir o primeiro ônibus brasileiro 100% elétrico

primeiro ônibus brasileiro 100% elétrico

O Grupo Moura, a Eletra e a empresa americana XALT Energy firmaram parceria para produção do primeiro ônibus 100% elétrico fabricado no Brasil, além de um novo modelo elétrico-híbrido. A união entre as empresas foi oficializada nesta quinta-feira (21/09) e prevê a apresentação dos novos modelos ao mercado até meados de 2019.

A parceria entre as três empresas marca o início das operações do Grupo Moura no mercado de baterias de lítio. Inicialmente a empresa importará as baterias fabricadas pela XALTP e fará uma “tropicalização” para o mercado sul americano e no futuro viabilizar a produção nacional assim que a demanda interna justificar os investimentos.

A Eletra já havia anunciado uma nova linha de equipamentos e componentes com tecnologia 100% nacional e novos ônibus elétricos e híbridos adaptados às condições brasileiras. A empresa também modernizou sua fábrica em São Bernardo do Campo para aumentar sua linha de produção e anunciou novidades para 2019.

Os ônibus com tecnologia elétrica representam a melhor proposta tecnológica para o transporte urbano e podem circular em diferentes configurações. No veículo elétrico puro, a energia para o sistema elétrico é proveniente de um avançado conjunto de baterias de lítio, interligadas em série e em paralelo. Já no modelo elétrico-híbrido, a energia vem também destas baterias e do grupo motor-gerador, que, somados ou individualmente, alimentam o sistema de tração. Nos dois modelos apenas o motor elétrico traciona o veículo. O elétrico-híbrido pode operar no modo elétrico puro (grupo motor-gerador desligado) por até 30 (quilômetros) km, por isto o modelo é chamado de Híbrido-Dual, tecnologia exclusiva da Eletra. Já o modelo elétrico puro apresenta autonomia de aproximadamente 200 km.

 Na versão híbrida o consumo de combustível também é menor: redução de 28%. Como elétrico puro ou trólebus, além da emissão zero, o consumo de energia é 38% menor pela eficiência da frenagem regenerativa – o sistema é conhecido como kers, sigla em inglês que identifica o sistema de recuperação de energia cinética. Quando o freio é acionado, o motor elétrico atua como um gerador e a energia que seria desperdiçada nas frenagens é reaproveitada e armazenada no banco de baterias.

Os grandes diferenciais da tecnologia desenvolvida pela Eletra é a padronização do sistema de tração elétrica dos modelos (híbridos e elétricos puro) e a flexibilidade para somar, isolar ou substituir fontes de energia distintas no mesmo ônibus, permitindo que um único ônibus elétrico possa operar e se ajustar as condições disponíveis de matriz energética.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta