15 de agosto de 2022

A micromobilidade é limpa e silenciosa – como pode ser amplamente utilizada?

bicilcietras e scooters - micromobilidade

A micromobilidade oferece muito mais do que apenas uma maneira divertida de se locomover.

E-scooters, e-bikes e outras formas de deslocamentos urbanos com micromobilidade têm o potencial de reduzir o congestionamento, as emissões e a poluição sonora que assolam nossas cidades. Também representa uma solução tangível real para a lacuna de transporte de primeira e última milha.

Para que a micromobilidade se torne mainstream, é essencial uma compreensão mais profunda dos usuários, não usuários e suas necessidades.

Quem usa a micromobilidade e por quê?

Em um projeto de pesquisa conjunto recente, o BCG (Boston Consulting Group) e a Universidade de St. Gallen (Suíça) entrevistaram 11.400 consumidores em 23 áreas metropolitanas, da Europa, China, Japão e Estados Unidos.

Eles descobriram que:

  • 42% dos usuários atuais dependem da micromobilidade para atividades de lazer, 39% para deslocamento e 36% para fazer pequenas tarefas.
  • Mais de 30% de todos os entrevistados usam bicicleta várias vezes por semana, se não diariamente. Outros 20% usam um várias vezes por mês.
  • À medida que o nível de renda aumenta, o mesmo acontece com o uso da micromobilidade.
  • Residentes de baixa renda são tipicamente menos inclinados a usar a micromobilidade. Embora o custo e a cultura sejam fatores, em algumas cidades, o principal motivo é simplesmente a falta de disponibilidade além dos centros das cidades.

As maiores razões pelas quais as pessoas escolheram deslocamentos urbanos com micromobilidade foram de importância quase igual: flexibilidade, confiabilidade, preço, bom clima, segurança e a chance de reduzir o tempo de viagem. Na França e na Alemanha, a confiabilidade é de longe a principal razão pela qual as pessoas a escolhem, enquanto na Suíça, é a flexibilidade. Nos EUA, o clima e a segurança foram os maiores motivos.


Veja também: Como tornar inteligentes os deslocamentos urbanos com micromobilidade


Além do mau tempo, citado por 44% dos entrevistados, as barreiras mais significativas ao uso foram o alto custo, entre 36% das pessoas, uma rede de ciclovias insegura para 35% dos entrevistados e a distância até o próximo veículo disponível, de acordo com 34% das pessoas.

A bicicleta ainda é, de longe, a forma preferida de micromobilidade entre os moradores da cidade. Na China, seu uso é eclipsado apenas pelas pequenas lambretas elétricas. Os moradores da cidade usam todos os modos com mais frequência do que seus colegas em qualquer outro país. A França lidera os países europeus no uso de e-scooter. E em vários países, as e-bikes estão ganhando uso.

O problema da substituição da micromobilidade

Entre as mudanças sociais sísmicas da pandemia estava uma reorientação para a segurança e saúde pessoal – e, para esse fim, dois anos de COVID-19 provocaram um aumento no uso da micromobilidade.

Embora as viagens gerais pós-pandemia permaneçam 10% mais baixas do que antes, o aumento dos custos de combustível e um público cada vez mais consciente do meio ambiente significam que a micromobilidade continua sendo uma opção atraente.

Isso, no entanto, não é necessariamente uma coisa boa. O que as pessoas substituem pela micromobilidade significa que o comportamento bem-intencionado pode, de fato, ter consequências não intencionais.

32% dos usuários de micromobilidade escolhem o modo com frequência ou com muita frequência em vez de um carro particular, mas uma porcentagem ainda maior – 55% – usa veículos de micromobilidade em vez de caminhar ou pegar transporte público. Em outras palavras, o uso da micromobilidade hoje é, na melhor das hipóteses, neutro. Ainda não está substituindo carros particulares suficientes e, em vez disso, substituindo as duas maneiras mais ecológicas de se locomover: a pé e o transporte público.

Veículos de micromobilidade movidos a eletricidade produzem emissões durante todo o ciclo de vida do produto, desde a aquisição e fabricação até o descarte, e dimensioná-los pode criar um tipo diferente de congestionamento com um conjunto diferente de problemas. Embora os veículos de transporte de massa criem emissões em alguns estágios do ciclo de vida, o impacto é compensado em grande parte pela longa vida útil dos ativos e pela eficiência de escala. Quanto mais usuários eles atraem, mais verdes eles se tornam.

Integrando os deslocamentos urbanos com micromobilidade nos sistemas da cidade

Em última análise, uma estratégia intermodal – que integra veículos de micromobilidade com serviços de transporte público – é o caminho mais eficaz para reduzir congestionamentos e emissões.

Um bilhete único que dá ao passageiro acesso a trens, metrô e e-scooters também resolve a lacuna de primeira milha e última milha. Juntamente com as plataformas digitais que oferecem, por exemplo, reservas e roteamento em tempo real e dados de inventário, a micromobilidade pode se tornar uma opção viável para mais de 1 em cada 5 passageiros.

Para a maioria das pessoas, a escolha do transporte se resume ao preço. Para testar a disposição das pessoas em gastar em opções integradas, o BCG e a Universidade de St. Gallen criaram dois cenários, cada um com uma oferta de micromobilidade de transporte público agrupada diferente que seria mais barata do que comprar os serviços separadamente.

Para uma única passagem de transporte público que inclui 10 minutos de uso de um veículo de micromobilidade, os entrevistados calcularam que a maioria das pessoas estaria disposta a pagar 25% a mais do que o custo atual de uma viagem de transporte público. Para um passe mensal de transporte público que inclui o uso de diferentes veículos de micromobilidade, os entrevistados sentiram que a maioria dos usuários estaria disposta a pagar 22% a mais.

deslocamentos urbanos com micromobilidade

Quase um terço dos entrevistados já combina o uso da bicicleta com o transporte público várias vezes por semana. A China se destaca nesse aspecto: 73% dos entrevistados baseados na China usam micromobilidade com transporte público. A próxima porcentagem mais alta é a França, com 42%.

A disposição de pagar pela conveniência das ofertas integradas sugere que o apetite do público pela micromobilidade existe – mas as condições devem ser adequadas. Expandir a infraestrutura, como ciclovias e instalações de armazenamento para veículos, e estender a cobertura para áreas carentes também incentivaria o uso mais amplo. Quanto mais atraentes as ofertas, mais usuários. Quanto melhor a economia, mais cidades e operadoras podem continuar fazendo melhorias.

Embora nada possa ser feito em relação ao mau tempo, há muitas maneiras de impulsionar o uso da micromobilidade inteligente. Primeiro e mais importante é integrá-lo ao sistema de transporte público. Essa é a melhor maneira de garantir o sucesso da micromobilidade – e se isso acontecer, não apenas os usuários, mas todos os moradores desfrutarão de cidades mais limpas, silenciosas e habitáveis.