Concept-i, os “veículos emocionais” da Toyota

Concept-i da Toyota

A Toyota tem a ambição de infundir em seus veículos inteligentes do futuro, uma conexão emocional com o motorista, em vez de tratá-los apenas como aparelhos utilitários.

Essa sua visão de futuro para a mobilidade estará presente no 45º Salão do Automóvel de Tóquio, que acontece entre os dias 25 de outubro e 05 de novembro, com dois pequenos elétricos que prevêem as emoções de seus motoristas.

Os conceitos i-Ride e i-Walk preparam a série Concept-i de veículos que a Toyota começou a apresentar no Consumer Electronics Show, em janeiro, com o Concept-i de quatro lugares.

O i-Ride é um veículo de dois lugares focado em uso urbano e também como uma opção de mobilidade pessoal para idosos ou pessoas com mobilidade reduzida. Suas portas de asa de gaivota se abrem para facilitar a carga e descarga de cadeiras de rodas e ele usa um joystick em vez de pedais.

Já o novo i-Walk é uma scooter de três rodas e que poderia ser usado para se deslocar por áreas de pedestres ou pontos turísticos.

 

O i-Ride teria uma faixa de autonomia entre 100 e 150 km, enquanto o i-Walk chegaria até 20 quilômetros com uma carga total.

A Toyota começará a testar algumas das tecnologias autônomas de condução e inteligência artificial Concept-i no Japão em 2020.

O fio comum é um sistema de inteligência artificial que aproveita o aprendizado profundo para absorver os hábitos e o comportamento do motorista, fazer previsões e sugestões e proteger os ocupantes. Ao monitorar os movimentos dos olhos do motorista, expressões faciais e gestos, os veículos visam prever se o motorista está ficando com sono ou irritado.

Os sistemas atuais podem até reconhecer fadiga ou raiva após o fato, mas a montadora japonesa pretende se antecipar. Ela quer um sistema que possa prever o estado de espírito do motorista.

Se um motorista está ficando irritado com o tráfego pesado, o computador pode responder inflando e deflacionando o assento a um ritmo lento e rítmico. Isso poderia diminuir a respiração do motorista, ajudando-o a relaxar.

Em outro exemplo, quando um motorista está com sono, o veículo pode entrar em ação para animá-lo antes de começar a dormir.

Ou então a inteligência artificial, ao detectar que o motorista está deprimido, toca uma das músicas favoritas do motorista para animá-lo.

A série Toyota Concept-i pretende se tornar um “carro amado”, guiada pelo conceito de “mais do que uma máquina, um parceiro” para entender melhor motorista.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta