17 de abril de 2024

Startup chilena expande serviços de mobilidade urbana com veículos zero emissões

Citybest

Os serviços de transporte privado urbano se tornaram rotina nas grandes cidades por ser um meio inteligente, rápido e prático de se deslocar pelos grandes centros urbanos. Mas, e se além de todos estes atributos, ele ainda fosse amigável com o meio ambiente?

Este é o mote da Citybest, uma startup chilena que lançou um aplicativo de transporte urbano com veículos 100% amigáveis com o meio ambiente. Fundada em 2019 pelo empresário Gonzalo Casanga, a Citybest buscou uma solução de eco-mobilidade para promover o uso de veículos elétricos e a correspondente redução da pegada de CO2, associando preços baixos com eco viagens amigáveis.

Em junho do mesmo ano, a empresa realizou os primeiros testes onde foram acionados 20.000 usuários cadastrados de veículos 100% Gás (GLP), tornando-se o primeiro aplicativo da América Latina a oferecer serviços de transporte ecologicamente corretos.

Em 2020, graças ao crescimento e desenvolvimento tecnológico, a empresa aprimorou seus serviços de eco-mobilidade com a incorporação de veículos elétricos e híbridos, alinhados à aplicação de novas políticas públicas na região.

A Citybest procura colocar os utilizadores particulares e empresas em contato com o meio de transporte que melhor se adapta às suas necessidades: veículos particulares ou regulamentados com condutor, elétricos, híbridos e a gás, bem como apoiar a transformação das cidades tornando-as mais habitáveis.

Compromissos com os dados

Casanga explica que a confiança dos usuários e empresas é essencial, mas também os indicadores de desempenho (KPIs) por trás de cada viagem que fazem.

“Mensalmente, e seguindo nosso compromisso, devemos apresentar um relatório ao Pacto Global da ONU onde indicamos quanto foi a redução da pegada de carbono através dos dados coletados nas viagens realizadas”, explicou o executivo.

Além disso, Casanga destacou que a Citybest também compartilha o referido relatório a cada três meses com empresas aliadas. “Temos como parceiros grandes redes hoteleiras globais, que receberão informações sobre o quanto foi reduzida a pegada de carbono de seus usuários para que possam acessar as certificações de sustentabilidade”.

O usuário do aplicativo, na hora de pagar sua viagem, também saberá em primeira mão sua contribuição para o planeta, por meio de dados diretos. “É uma informação que abrange todo o nosso ecossistema”, disse Casanga.

Expansão da Citybest na América Latina

A empresa está atualmente em processo de ativação de uma fase inicial que ligará a mobilidade elétrica a 30 hotéis de alto fluxo nas cidades de Montevidéu, Bogotá, Santiago do Chile e Cidade do México.

O objetivo desta fase é oferecer aos clientes destas cadeias um atendimento especializado e personalizado, através de viagens ecológicas em veículos elétricos, de mãos dadas e em colaboração com o setor hoteleiro.

Além disso, a Citybest procura promover e motivar os motoristas através de novos pontos de carregamento em cada hotel associado à aplicação, onde a energia será gratuita para as pessoas ligadas à plataforma de viagens.

Quando se trata de buscar benchmarks no setor, é inevitável mencionar o Uber, que após anos de serviço conseguiu se reinventar para se manter ativo no país.

Gonzalo Casanga, CEO da Citybest

“Sempre disse que nunca vou lutar contra eles, prefiro ser o segundo melhor e apostar na energia limpa. Claro que estudei a concorrência e por isso digo com toda a certeza que somos os únicos que vão ter veículos elétricos, a gás e híbridos nas ruas. E se os outros tentarem, teriam que eliminar os 90% de seus motoristas que ainda usam gasolina”, diz Casanga.

Enquanto isso, a CityBest refina seu modelo, empregando programadores dos Estados Unidos para criar algoritmos que melhoram a experiência do usuário, além de demanda e preços para tornar o serviço mais eficiente a cada dia.

Os investidores da CityBest estão satisfeitos com os movimentos rápidos de Casanga para entrar nas principais capitais latino-americanas. A empresa espera chegar ao valor de 5 milhões de dólares, assim que o aplicativo estiver funcionando. Gonzalo diz que a CityBest conta atualmente com 100 funcionários, sem contar os motoristas, e espera que haja muitos mais e que sejam baseados na Colômbia.