Com eletrificação garantida, China agora aponta para o hidrogênio

veículos movidos a hidrogênio

Depois de abusar de subsídios e outras políticas para criar o maior mercado mundial de veículos elétricos, a China agora move suas peças no tabuleiro em direção ao hidrogênio.

O governo chinês tem intensificado os esforços para desenvolver a indústria de hidrogênio do país, com o desenvolvimento de estações de hidrogênio para novos veículos que estão sendo incluídos no relatório de trabalho do governo recentemente divulgado.

A energia do hidrogênio é considerada uma energia “absolutamente limpa”, já que a água é o único subproduto a ser produzido e consumido.

A China Petroleum and Chemical Corp (Sinopec) disse que vai continuar com suas pesquisas relacionadas a células a combustível de hidrogênio já em andamento.

A Great Wall Motor, uma das maiores montadoras da China investiu mais de 1 bilhão de yuans (US $ 149 milhões) na pesquisa e desenvolvimento de veículos movidos a hidrogênio e células de combustível.

Analistas acreditam que a China tem um potencial substancial no desenvolvimento de energia de hidrogênio e o desenvolvimento desta indústria no país também está de acordo com sua estratégia internacional de transmissão de energia.

No país já rodam cerca de 1.200 veículos com células de combustível e agora o governo estabeleceu uma meta de ter cinco mil em suas estradas até 2020, 50 mil até 2025 e um milhão até 2030.

A diversificação proposta pelo gigante asiático, segundo a Bloomberg, fez com que os estoques relacionados com células de combustível ganhassem mais de US $ 4 bilhões em valor de mercado.

Células de combustível, como baterias, geram eletricidade mas as similaridades geralmente param por aí. As baterias são grandes, pesadas e exigem carga por eletricidade que pode ou não ser gerada a partir de recursos renováveis. Por outro lado, as células de combustível geram eletricidade (e, como subproduto, calor e água) quando o hidrogênio interage com o oxigênio. Eles não precisam de cobrança; em vez disso, eles precisam de tanques de hidrogênio a bordo, que sejam mais leves e capazes de armazenar muito mais energia do que uma bateria (permitindo que eles viajem mais). E, ao contrário das baterias, que podem exigir horas de recarga, os veículos movidos dessa maneira podem ser reabastecidos em minutos, semelhante aos motores tradicionais de combustão interna.

Apesar da tecnologia das células de combustíveis ter componentes mais caros e tornarem a tecnologia pouco competitiva em relação à bateria, a volúpia chinesa pode dar escala ao hidrogênio.

Esta é a aposta da Grove Hydrogen Automotive Co., uma empresa sediada na zona de desenvolvimento de alta tecnologia (Optics Valley of China) em Wuhan, província de Hubei, na China, que lançou um carro movido a célula de combustível a hidrogênio em 20 de março. A nova empresa pretende se concentrar em carros com células de combustível, começando com um SUV de quatro portas que planeja lançar ainda este ano. A empresa diz que alcançará a produção em massa no próximo ano.

Segundo a Grove, seu veículos terão uma autonomia de mais de mil quilômetros e usará frenagem regenerativa para maximizar a eficiência, o que implica alguma capacidade da bateria, que poderia ser usada para fornecer energia extra além da saída da célula de combustível.

O carro está programado para estrear no salão do automóvel do próximo mês em Xangai.

A montadora foi fundada pelo Instituto de Geociências e Meio Ambiente (IGE), que desenvolve hidrogênio a partir de resíduos industriais, dando-lhe uma pegada mais sustentável e menos intensiva em carbono que a maioria do hidrogênio produziu nos EUA.

O IGE planeja implantar a infraestrutura de abastecimento de hidrogênio em cidades com alto nível de infraestrutura na China a partir de 2020 e depois “agressivamente” em todas as cidades “significativas” do país a partir de então. Eles não deram nenhuma indicação do que é considerado uma cidade significativa.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta