Volvo inicia vendas de caminhões elétricos para operações urbanas na Europa

caminhões elétricos da Volvo

Os caminhões elétricos da Volvo ganharão as ruas de algumas cidades da Europa já em 2020. Com o início de produção agendado para março, os elétricos Volvo FL e Volvo FE começam a ser comercializados inicialmente na Suécia, Noruega, Alemanha, Suíça, França e Países Baixos.

Desenvolvidos em estreita colaboração com clientes que operam na cidade de Gotemburgo na Suécia, os caminhões elétricos da Volvo se destacam pela ausência de emissões e os reduzidos níveis de ruídos, ideais para operações em áreas urbanas. Os baixos níveis de ruído, aliás, possibilitam a realização de entregas e a coleta de resíduos à noite, ajudando a melhorar a logística de transportes e a diminuir o congestionamento nas horas de pico. Outra vantagem dos elétricos é o fato de poderem operar em ambientes fechados ou em áreas de proteção ambiental.

Jonas Odermalm, caminhões elétricos da Volvo

“A tendência global de urbanização requer urgência no desenvolvimento de uma logística urbana e também veículos sem emissões e com menos ruídos. Com o Volvo FL Elétrico e o Volvo FE Elétrico temos condições de atender tanto às exigentes demandas ambientais quanto os altos requisitos comerciais de nossos clientes”, diz Jonas Odermalm, vice-presidente de produtos de eletromobilidade da Volvo Trucks. Ele lembra que um dos desafios é maximizar a carga útil ao mesmo tempo em que se otimiza a autonomia do veículo.

O executivo salienta que “a infraestrutura de recarga ainda está em desenvolvimento na maioria das cidades” e que está “claro que o desenvolvimento da infraestrutura de recarga precisa ser mais rápido”.

“Veículos elétricos, recarregados com energia de fontes renováveis são um passo importante em direção a uma operação de distribuição mais sustentável nas cidades. Mas não existirá uma única fonte de energia que consiga abranger as mudanças climáticas e todas as outras questões ambientais. Diferentes tipos de transportes necessitarão de tipos diferentes de soluções em trem de força”, conclui o executivo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta