Bosch visa a produção em larga escala de células de hidrogênio para caminhões

hidrogênio para caminhões

A Bosch deu um passo importante para entrar no mercado de células de hidrogênio para caminhões ao formar uma aliança com a Powercell Sueden AB, fabricante sueca de baterias de células de combustíveis.

A Powercell, empresa que até 2008 pertencia ao Grupo Volvo,  desenvolveu tecnologia de célula de combustível de ponta e suas baterias, que fornecem uma saída de até 125 kilowatts, já estão em uso como protótipos em caminhões.

Sob o acordo, os dois parceiros trabalharão em conjunto para tornar a célula de combustível de membrana de eletrólito de polímero (PEM) pronta para produção. A Bosch então fabricará essa tecnologia sob licença para o mercado automotivo global. A bateria complementará o portfólio de componentes de células de combustível da Bosch e será lançada até 2022.

“No domínio das células de combustível, a Bosch já tem uma mão forte e a aliança com a Powercell a torna ainda mais forte. Comercializar tecnologia é um dos nossos pontos fortes. Vamos agora assumir esta tarefa com determinação e desenvolver este mercado”, afirma Stefan Hartung, membro do conselho de administração da Bosch e presidente do setor empresarial da Mobility Solutions.

A longo prazo, o negócio de célula de combustível vale potencialmente bilhões de euros para a Bosch. Estima-se que até 20% de todos os veículos elétricos em todo o mundo serão alimentados por células de combustível até 2030.

“Com o peso combinado de sua influência e expertise, a Bosch fornecerá à nossa tecnologia de célula de combustível a chance de ganhar uma posição segura. Não conseguimos imaginar um parceiro melhor do que a Bosch para isso”, afirma Per Wassén, CEO da Powercell.

Tecnologia de célula de hidrogênio para caminhões

A Bosch acredita que as melhores oportunidades para uma ampla adoção da tecnologia de células de combustível estão no mercado de veículos comerciais. Os requisitos de frota da UE para caminhões exigem uma redução das emissões de CO2 em 15% em média até 2025 e 30% até 2030.

A visão da Bosch é de que essa meta só pode ser alcançada eletrificando cada vez mais o powertrain. A célula de combustível pode desempenhar um papel decisivo aqui.

Depois de se estabelecer em células de hidrogênio para caminhões, as motorizações das células de combustível da Bosch irão, cada vez mais, entrar nos automóveis de passageiros. Mas para que isso aconteça, o custo dos sistemas de célula de combustível precisa ser reduzido progressivamente. O maior item de custo é a bateria, responsável por quase dois terços do custo total de um sistema de célula de combustível.

“Com a comercialização e o amplo marketing dessa tecnologia, a Bosch alcançará economias de escala e reduzirá os custos”, diz Hartung.

Os custos também têm que cair quando se trata de hidrogênio

Atualmente, este combustível é produzido principalmente para aplicações industriais, a um preço de quilograma que frequentemente excede cinco euros. Conforme a produção cresce, o preço deve cair. Um quilograma de hidrogênio contém tanta energia quanto cerca de três litros de diesel. Por 100 quilômetros, um caminhão moderno de 40 toneladas requer de sete a oito quilos de hidrogênio.

Ao utilizar eletricidade verde, a produção de hidrogênio pode ser neutra em relação ao clima. Várias empresas industriais estão trabalhando para aperfeiçoar esse processo.

Na célula de combustível (ou bateria de combustível-célula como um conjunto de tais células é chamado) o hidrogênio reage com o oxigênio. O resultado final – além da água como subproduto – é a energia elétrica.

Isso pode ser usado para recarregar uma bateria no veículo ou para ligar diretamente o motor elétrico. Combinando flexivelmente duas ou mais baterias, os requisitos de energia de todos os tipos de veículos podem ser cobertos, desde carros de passeio a caminhões pesados.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta