15 de agosto de 2022

Eletrificação de ônibus acelera na América Latina

e-buses na américa latina

Parece haver bom desempenho quando se trata de implantação de ônibus elétricos na América Latina. Em abril de 2022, havia 3.209 ônibus elétricos em operação na região, de acordo com o E-Bus Radar.

No entanto, a plataforma também revela que há ressalvas para esse número alto: 1047, ou quase um terço deles são trólebus que operam em rotas que já haviam sido colocadas em serviço no século passado. Dos 2.162 ônibus elétricos a bateria contabilizados, duas cidades dominaram, sendo responsáveis por quase 85% do total de ônibus elétricos a bateria: Santiago do Chile com 776 e Bogotá, na  Colômbia, com 1.061 ônibus elétricos.

Ônibus elétricos na América Latina: Santiago e Bogotá lideram

ônibus elétrico américa latina

Uma das razões pelas quais Santiago e Bogotá estão na vanguarda é sua abordagem de aquisição e implementação. Eles concederam grandes contratos de frota elétrica usando uma estratégia que separa as operações da provisão da frota; eles fazem isso por meio de mecanismos de arrendamento, por meio de parcerias público-privadas, ou por meio de investimento público direto. Esses modelos abriram uma porta para os tomadores de decisão facilitarem as necessidades de liquidez das operadoras e, ao mesmo tempo, fornecerem os arranjos institucionais para introduzir essas novas tecnologias. No caso de Santiago, empresas privadas estão fornecendo os ônibus elétricos para serem operados por uma empresa pública.

As duas cidades também se beneficiam de ter atores nacionais fortemente comprometidos com a mitigação de GEE. No Chile, assim como na Colômbia, existem políticas nacionais que, a partir de 2035, todos os novos ônibus urbanos devem ser elétricos.

Há um terceiro elemento que deve ser considerado ao usar Santiago e Bogotá como casos de melhores práticas: Chile e Colômbia estão importando a maioria de seus ônibus e apenas montando ônibus em alguns casos. Desta forma, há menos necessidade de empurrar a indústria para uma transformação que necessite de investimentos.

E o Brasil e o México?

Cidades no Brasil e no México enfrentam um contexto muito mais desafiador. Sem fortes estratégias nacionais de mobilidade urbana e políticas industriais de emissão zero, Brasil e México ainda precisam definir qual caminho seguir para não ficar para trás na tendência global de implantação de ônibus elétricos.

e-buses na américa latina
No Brasil, a falta de política nacional está sendo compensada por metas subnacionais de adoção do ônibus elétrico

Mas há sinais de que os maiores países produtores de ônibus da América Latina estão no caminho certo: a Scania está adotando um modelo de ônibus elétrico para o mercado mexicano local , a brasileira Eletra está investindo em uma fábrica para fabricar 1.800 ônibus elétricos por ano e a Mercedes-Benz anunciou encomendas para seus chassis de ônibus elétricos no Brasil . Há poucas semanas, uma operadora de ônibus particular que presta serviços na cidade de São Paulo adquiriu 100 ônibus elétricos para 2022 e 2023. E este pode ser apenas um primeiro exemplo de muitos a seguir. Para estar em consonância com a Lei do Clima da Cidade e o cronograma de implantação dos ônibus elétricos, as operadoras precisarão incorporar cerca de 2.600 ônibus elétricos até o final de 2024.

e-buses na américa latina
Sem fortes estratégias nacionais de mobilidade urbana e políticas industriais de emissão zero, Brasil e México ainda precisam definir qual caminho seguir para não ficar para trás na tendência global de implantação de ônibus elétrico

Assim, a falta de políticas nacionais está sendo compensada por metas subnacionais de adoção do ônibus elétrico na América Latina. Enquanto Bogotá e Santiago ainda estão na vanguarda, outras cidades podem fechar a lacuna e adotar rapidamente os ônibus elétricos. Cidades de médio porte como Cuenca no Equador, Barranquilla na Colômbia e São José dos Campos no Brasil, também estabeleceram metas ambiciosas para a adoção de ônibus elétricos.

Olhando para esses exemplos, fica claro que o trabalho inspirador realizado em algumas cidades latino-americanas para identificar e implementar novos modelos de negócios precisa vir acompanhado de um compromisso político em nível de cidade e uma indústria nacional disposta a fornecer ônibus elétricos.