15 de agosto de 2022

Coisas dos Jetsons – A ascensão da micromobilidade e robótica

micromobilidade e robótica

O mundo da mobilidade pessoal está mudando. À medida que os países buscam reduzir as emissões de carbono e reduzir o congestionamento de veículos em suas cidades, as e-scooters, robôs autônomos de entrega e drones cresceram em popularidade como novos dispositivos de mobilidade pessoal de energia limpa. De acordo com o Pew Research Center, um think tank localizado em Washington (EUA), mais de 30% da população mundial vive em cidades que são habitadas por mais de um milhão de pessoas. Buscando capitalizar esse movimento de energia limpa em grandes mercados urbanos, as startups de micromobilidade e robótica arrecadaram mais de US$ 5,7 bilhões em financiamento nos últimos sete anos, liderados pelo investimento em robôs de entrega autônomos. Analistas de mercado que seguiram essas tendências projetam que o setor de micromobilidade será avaliado entre US$ 300 bilhões e US$ 500 bilhões até 2030.

A micromobilidade desempenha um papel importante na redução das emissões de gases de efeito estufa no setor de transporte. Para viagens de curta distância, que compreendem a maioria das viagens veiculares nos Estados Unidos e na União Europeia, as e-scooters e e-bikes estão se tornando cada vez mais os principais métodos de transporte em grandes deslocamentos urbanos. Além de reduzir as emissões de carbono dos carros pessoais, essa mudança de comportamento também serve como um valioso campo de testes para ver se as pessoas estão prontas para reduzir sua dependência de carros pessoais e tratar dispositivos de micromobilidade e robótica como extensões igualmente importantes do paradigma de mobilidade pessoal.

As principais cidades começaram a experimentar o fechamento de vias para permitir mais veículos de pedestres e micromobilidade durante o COVID-19. Até o final de 2021, a cidade de Nova York fechou mais de 160 quilômetros de ruas ao tráfego de veículos nos cinco distritos, com mais da metade deles permanecendo fechados. San Francisco também tentou implementar “ruas lentas” para limitar o tráfego durante a pandemia, com resultados variados e muitos reabrindo após uma resposta pública mista. A Filadélfia está experimentando o desenvolvimento de uma terceira pista dedicada a veículos de micromobilidade.

As viagens de scooter nos EUA, subiram para 152 milhões em 2021, um aumento de 24% em relação ao ano anterior. De 2019 a 2020, houve um aumento de 60%. Espera-se que esse crescimento continue, e muitos estados e cidades estão começando a incorporar patinetes nas decisões e regulamentações de planejamento urbano. Já existe alguma forma de regulamentação para e-scooters em 46 estados dos EUA e em Washington, DC.

micromobilidade e robótica

Nos últimos quatro anos, as empresas de micromobilidade e robótica investiram no desenvolvimento de veículos de entrega autônomos, conhecidos como dispositivos de entrega pessoal (PDDs), que proliferaram, em particular, em campi universitários e em cidades de tecnologia. Os PDDs são uma parte importante dos portfólios dos fabricantes de sistemas de veículos autônomos porque permite que eles desenvolvam arquiteturas de direção autônoma que podem ser usadas como componentes em sistemas de veículos autônomos projetados para veículos motorizados.


Veja também: Como será o ecossistema da mobilidade do futuro


Durante o COVID-19, os PDDs explodiram em popularidade nos campi universitários como forma de reduzir o número de alunos e professores nos refeitórios ao mesmo tempo, porque os PDDs conseguiam entregar comida em seus dormitórios ou escritórios. Mesmo quando as faculdades voltaram às operações mais normais, a demanda por entregas de alimentos PDD continuou a crescer, e essa tecnologia passou a ser comercializada pelas faculdades como um diferencial no recrutamento de alunos em potencial. Mas o crescimento causou desafios legais para os usuários universitários, incluindo preocupações com a privacidade em torno do tipo de dados coletados por fornecedores de software de terceiros e preocupações com o armazenamento de vídeos de curto prazo nos robôs e onde e como carregar e armazenar os veículos com segurança. (questões comuns e potenciais áreas de desenvolvimento para infraestrutura de veículos elétricos).

A entrega por drones está em um estado mais incipiente, à medida que os desenvolvedores passam por considerações de infraestrutura aeroespacial e questões regulatórias federais e estaduais. Embora muitos estados e municípios tenham seus próprios regulamentos, a operação de drones sempre exige conformidade com os regulamentos das autoridades que regulam o uso do espaço aéreo. O desenvolvimento adicional, tanto regulatório quanto técnico (por exemplo, peso e capacidade de navegação em áreas urbanas), são assuntos que serão objeto de atenção contínua.

Fonte: Morgan Lewis