15 de agosto de 2022

Airbus pretende criar infraestrutura de hidrogênio em aeroportos a partir de 2023

airbus movido a hidrogênio

A Airbus e a empresa de gases industriais e engenharia Linde, assinaram um memorando de entendimento para trabalhar no desenvolvimento de infraestrutura de hidrogênio em aeroportos em todo o mundo. 

O acordo abrange a cooperação nas cadeias globais de fornecimento de hidrogênio, desde a produção até o armazenamento no aeroporto, incluindo a integração do reabastecimento nas operações de manuseio em terra, de acordo com a Airbus. Ambas as empresas planejam definir e lançar projetos piloto em vários aeroportos a partir do início de 2023.

As empresas também estão analisando o potencial dos combustíveis Power-to-Liquid – um tipo de combustível de aviação sustentável (SAF) feito a partir do hidrocarboneto líquido produzido sinteticamente através da conversão de eletricidade renovável.

Espera-se que o uso de hidrogênio para alimentar futuras aeronaves não apenas reduza significativamente as emissões de aeronaves no ar, mas também ajude a descarbonizar as atividades de transporte aéreo em terra. Em 2020, a Airbus lançou o programa “Hydrogen Hub at Airports” para impulsionar a pesquisa sobre requisitos de infraestrutura e operações aeroportuárias de baixo carbono, em toda a cadeia de valor. Até o momento, foram assinados acordos com parceiros e aeroportos na França, Itália, Coréia do Sul, Japão e Cingapura.

A infraestrutura destina-se a criar as condições para a primeira aeronave de passageiros Airbus movida a hidrogênio, que o fabricante planeja ter em serviço até 2035.

“Estamos avançando bem com o hidrogênio como um importante caminho tecnológico para alcançar nossa ambição de trazer uma aeronave comercial de emissão zero ao mercado até 2035. Construir a infraestrutura é igualmente crucial”, diz Sabine Klauke, CTO da Airbus. “É por isso que estamos trabalhando em estreita colaboração com parceiros como a Linde, que têm décadas de experiência e conhecimento em todo o mundo no armazenamento e distribuição de hidrogênio.”

“Temos o prazer de expandir nossa colaboração bem-sucedida com a Airbus para um escopo global”, disse Philippe Peccard, vice-presidente de energia limpa da Linde. “Ao aproveitar as competências de ambas as empresas, estamos bem posicionados para colaborar com aeroportos e autoridades governamentais no desenvolvimento de conceitos viáveis ​​para hubs aeroportuários sustentáveis ​​baseados em hidrogênio.

A primeira aeronave da Airbus, conceito ZEROe, foi apresentada em 2020, e o desenvolvimento dos blocos tecnológicos correspondentes está em andamento em uma rede global de pesquisa e desenvolvimento focada no desenvolvimento da tecnologia de hidrogênio para futuras aeronaves comerciais.