Actros: um extrapesado com automação de ponta

test drive com o actros

FutureTransport foi conferir de perto o desempenho do Actros, o extrapesado da Mercedes-Benz, para conhecer, na estrada, os benefícios da tecnologia embarcada e do pacote de segurança que equipam o veículo. Alguns desses recursos estão na origem de características presentes no veículo autônomo que a montadora lançou na Europa.

Todos os recursos embarcados estão voltados para facilitar a condução segura do caminhão, mesmo considerando a configuração apresentada no Test Drive: saímos com um Actros 2651 6×4, engatado num bitrem de sete eixos com 57 toneladas de carga (caixas de madeira e sacos de areia foram usados para simular o peso). É o caminhão mais potente da marca produzido no Brasil, com motor OM 460 LA de 510 cv.

 

 

O ponto de encontro foi o pátio da fábrica da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo (SP), de onde partimos rumo a Jacareí, no interior paulista, tomando o caminho pelo Rodoanel Mário Covas. Tivemos a sorte de ter na direção um dos motoristas mais experientes da Mercedes-Benz, João Moita, que trabalha há 37 anos na montadora e conhece profundamente os carros da marca. Durante anos Moita trabalhou mostrando a clientes frotistas os benefícios dos caminhões Mercedes e ensinando outros motoristas a tirar o máximo de proveito de cada recurso tecnológico disponível nos veículos.

É fácil perceber que não basta saber dirigir para tocar um rodoviário como esse. Moita explica que o computador de bordo tem nada menos do que cerca de 600 itens para navegar. “Hoje, para trabalhar num caminhão deste a gente deveria usar paletó e gravata”, brinca. Mas toda essa tecnologia facilitou a dirigibilidade e guiar um caminhão moderno é quase como dirigir um automóvel, de luxo.

A robustez do veículo contrasta com a direção suave e com trocas de marchas tranquilas, quase imperceptíveis, graças ao câmbio automatizado. O câmbio Mercedes Powershift, sem pedal de embreagem, tem sensor de inclinação que permite troca de marchas inteligentes, mais ágeis. Ele facilita a leitura do tipo de estrada em que o caminhão está, se é plana, com aclive ou declive, para estar sempre parametrizando o motor, o que ajuda também na economia de combustível.

Logo no início da viagem uma inclinação da pista proporcionou a oportunidade para o primeiro teste: a partida em rampa. Em uma subida, se o caminhão precisa parar, mesmo com uma carga pesada, o assistente de partida em rampa ajuda o veículo a partir sem ser puxado para trás pelo peso da carreta. O motorista tem praticamente três segundos para tirar o pé do freio e acelerar para que o carro não volte na rampa.

Segurança

 

O pacote de segurança, que é um opcional do Actros, traz três itens que, integrados, aumentam o domínio sobre a condução e agem na prevenção de acidentes. O primeiro é o Sistema de Orientação de Faixa de Rolagem (Lane Guidance System), em que um radar instalado na frente do caminhão detecta as duas faixas da pista onde se encontra o veículo e se o motorista cruzar uma das faixas, sem dar o sinal de que fez isso intencionalmente, é emitido um alerta sonoro no painel do lado esquerdo ou do lado direito, dependendo de que lado da via ele passou sobre a faixa de rolagem.

 

 

Outro item de segurança é o Sistema de Controle de Proximidade (Proximity Control System). Um radar posicionado no parachoque frontal monitora o tráfego diante do caminhão e mantém uma distância considerada segura entre o caminhão e o veículo à frente. Quando o carro se aproxima demais e a distância chega a 15 metros o sistema dá um aviso luminoso no painel, em forma de um triângulo vermelho, e reduz automaticamente a velocidade para manter um espaço seguro e evitar uma possível colisão. Ele já começa a “ler” essa distância a 150 metros do carro à frente, mas essa longitude pode ser previamente configurada, conforme a necessidade do trajeto.

 

 

Para complementar essa ação há o terceiro sistema de segurança do Actros, o Assistente Ativo de Frenagem (ABA – Active Brake Assist), que, a partir de um radar posicionado na parte frontal da cabine, detecta o veículo à frente – ou outros obstáculos em movimento – a 15 metros de distância e, se o motorista não frear ele emite um alerta sonoro (cigarra), uma vibração ao volante e começa a brecar o veículo até, se necessário, fazer uma freada de emergência, dependendo da velocidade em que estiver o caminhão. Ele trabalha junto com o Sistema de Controle de Proximidade e, paralelamente, contribui para economia da operação porque evita que o motorista use o freio com frequência.

Nos 212 quilômetros percorridos, a uma velocidade média de 60km/h, Moita praticamente não freou o veículo, com exceção dos momentos de paradas planejadas. “Antigamente eu descia a Serra de Santos com um caminhão com 10 ou 12 mil kg e gastava uma hora e meia para descer, usando o freio. Hoje com 74 mil kg desço a Serra de Santos sem pisar no freio e gasto 22 minutos, graças à diferença da tecnologia”, ressalta Moita.

Internamente

 

 

Na cabine do potente Actros, a conversa com o motorista fluiu sem interferências ou ruídos do motor, o veículo em nada se compara à imagem que popularmente se faz do barulho de um caminhão. O espaço interno é surpreendente, não por acaso essa cabine é chamada pela Mercedes de Megaspace, com 1,92 metro de altura interna e 2,26 de largura e piso totalmente plano.

 

O ambiente parece mais uma sala de estar e pode-se movimentar internamente com um grande conforto. A poltrona do motorista é sofisticada, tem 12 regulagens, de altura e de assento, diferentes opções de inclinação, regulagem para a coluna lombar e suspensão pneumática. “Este banco é sensacional, dá pra viajar o dia inteiro e não se sente nada, é como estar no sofá de casa vendo televisão”, atesta Moita. A cama auxiliar também recebeu elogios do motorista, é removível para facilitar a limpeza, tem densidade maior e foi revestida com um novo tipo de tecido que não fica úmido se o motorista transpirar durante o descanso.

O painel é colorido e junto com o computador de bordo é possível comandar quase tudo diretamente no volante, com a leitura direta de todas as funções do caminhão.

FleetBoard

Todos esses recursos tecnológicos do Actros são orquestrados com a ajuda do chamado FleetBoard, um sistema de gestão de frotas da Mercedes que fornece dados ao condutor para uma direção segura e econômica e controla o comportamento do motorista ao volante.

“O FleetBoard dá nota para mim e o meu patrão vê tudo o que estou fazendo aqui, se estou acelerando, brecando, gastando demais, aparece tudo no painel. Ele indica a hora de trocar o óleo do motor, de fazer uma revisão, se o caminhão está com algum problema, uma lanterna queimada, indica tudo. E dá para corrigir em tempo real”, relata Moita. “Ele indica até se o caminhão está vazio ou carregado, não tem jeito de o motorista enganar o patrão. Agora ele sabe onde o veículo está rodando e se está carregado ou vazio”, destaca.

Powertrain

 

Segundo Hélio Ribeiro, engenheiro de marketing de produto da Mercedes-Benz do Brasil, os engenheiros da montadora desenvolveram o powertrain do Actros pensando nas necessidades de manutenção e em facilitar o momento de encontrar peças no mercado. “Hoje o chassi do Actros é muito parecido com o chassi do Axor, já consagrado no mercado nacional por ter uma mecânica barata e por ser fácil de encontrar as peças”, compara o engenheiro.

O motor OM 460 LA é de 13 litros com 6 cilindros em linha e, combinado às demais melhorias do caminhão, promete uma economia de até 5% nos gastos dos frotistas. Ele é praticamente 90% o mesmo motor do Axor, o que traz a facilidade de encontrar peças no mercado, além de ser um motor já conhecido pelo motorista, o que permite realizar manutenções rápidas.

A versão 6×4 tem autonomia de 1080 litros, são dois tanques, um de 780 l, de alumínio, e mais um tanque de 300 l, além do tanque da Arla, de 95 litros.

O modelo tem duas opções de eixos, a versão usada no Test Drive estava com eixo sem redução dos cubos, que é o mais indicado para as estradas rodoviárias, mas se o motorista precisar de uma aplicação mista, se for entrar numa fazenda, por exemplo, e precisar de um pouco mais de robustez, ele pode optar por eixos com redução dos cubos.

Essa versão tem também algumas teclas de funções de destaque da Mercedes. Uma delas é para manobra em pátio, que limita a rotação e, independente de maior ou menor aceleração, permite manobrar o caminhão de forma mais macia. Outra tecla é a de balanceio, que em uma situação em que o veículo venha a entrar num pequeno atoleiro, ou a cair num pequeno buraco, o acionamento da tecla faz o veículo trabalhar com algumas rotações que fazem o caminhão começar a balançar até ele sair desse pequeno atoleiro.

Visual externo

Externamente, o para-choque do Actros também se diferencia pelo material empregado que é altamente resistente. Em caso de colisão ele se deforma momentaneamente e depois volta à forma original.

O novo conjunto ótico também facilita a substituição de componentes sem precisar trocar completamente o farol, reduzindo custos de reparo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta