17 de abril de 2024

A transição para a mobilidade sustentável não é equitativa

transição energética

EMERGENTES – A mobilidade rodoviária representa cerca de um quarto das emissões globais de carbono relacionadas com a energia e está a aumentar, pelo que a sua descarbonização é fundamental para a mitigação da crise climática global. Os carros respondem pela maior parte das fontes de emissões crescentes em todo o mundo, tornando atraente a transição para zero emissões de escapamento, especialmente para veículos elétricos (EVs) em mercados desenvolvidos.

Não é de admirar que os principais mercados desenvolvidos tenham se comprometido com a eliminação gradual dos investimentos em veículos com motor de combustão interna e cadeias de valor EV. Felizmente, apesar do cenário de interrupções na cadeia de suprimentos, choques geopolíticos e altos preços de commodities e energia, as vendas de veículos elétricos (híbridos e puros) ultrapassaram 10 milhões no ano passado, um aumento de 55% em relação a 2021.

No entanto, nem todos os mercados podem eletrificar suas frotas de carros no ritmo que a crise climática exige. Para vários mercados emergentes, a posse de automóveis continua bastante baixa, mas as vendas estão crescendo. É necessário olhar para a mobilidade de forma holística, a fim de adotar uma abordagem mais matizada e colaborativa para implementar uma transição energética.

China, Europa e EUA dominam as vendas de VEs

China, Europa e Estados Unidos representaram cerca de 95% das vendas globais de carros elétricos em 2022. As economias emergentes e em desenvolvimento fora da China respondem por apenas uma fração dos mercados globais de VEs.

Em muitas das principais economias emergentes e em desenvolvimento, o transporte continua amplamente baseado em soluções de mobilidade menores em centros urbanos, como veículos de duas e três rodas, e mobilidade compartilhada para deslocamentos regionais.

Em 2021, os veículos elétricos de duas e três rodas representaram um milhão de barris de deslocamento de demanda de petróleo por dia – 66% do deslocamento geral de demanda de petróleo por EVs no ano, tornando a eletrificação desse segmento globalmente mais significativa do que muitos imaginam.

Mesmo em grandes mercados de automóveis no mundo emergente, os governos acham mais atraente investir na montagem e fabricação de veículos e peças nas quais possam ter uma vantagem relativa duradoura.

O Fórum Econômico Mundial ouviu a opinião de três CEOs e executivos seniores sobre o desafio no Brasil, Índia e no continente africano:

‘Incentivos fiscais e esquemas de estímulo acelerariam a transição energética’

Daniel Randon - Transição energética

Daniel Randon, Presidente da Randon

O aspecto mais desafiador para acelerar a transição energética do transporte rodoviário em mercados emergentes é a falta de entendimento comum sobre as realidades locais, o que leva a duas sugestões fundamentais:

1- A criação de programas para estimular o desenvolvimento de novos mercados, nos quais as empresas não estão presentes ou ainda não são suficientemente competitivas.

2- A adoção de incentivos fiscais para incentivar os empresários locais a investirem de forma mais agressiva no desenvolvimento e transformação de produtos nessa lógica sustentável.

Isso beneficiaria não apenas a cadeia industrial, mas também outras cadeias, como empresas de infraestrutura e serviços associados. Nossa experiência no Brasil nos mostra que esse é o caminho mais adequado.

Isso não apenas pelo potencial do Brasil para liderar a economia verde, mas também pelo nível de adaptabilidade que podemos alcançar, dada a multiplicidade de características que temos dentro de um mesmo país e a burocracia que ainda enfrentamos.

Os carros com motores flex – que podem rodar tanto com gasolina quanto com etanol – têm forte presença no Brasil, por exemplo. O potencial para o desenvolvimento de biocombustíveis também cresceu.

Outro exemplo é o sistema de eixo auxiliar elétrico que desenvolvemos na Randon, em conjunto com parceiros e start-ups, que pode reduzir em até 25% o consumo de combustível fóssil dos caminhões. Esta solução também tem potencial para ser utilizada em outros veículos pesados, como ônibus ou tratores.

Esse mecanismo poderia ter grande aplicação na América do Sul e na África, ou mesmo em países da Ásia Central, devido às condições de relevo muito diferenciadas e condições precárias de infraestrutura, o que pode possibilitar uma utilização mais intensiva do eixo auxiliar, reduzindo assim outros consumos nocivos à natureza.

Esta é apenas uma das tecnologias que criamos. Também temos investido muito no design de peças automotivas com materiais mais leves, como compósitos, e com aplicação de nióbio em escala nanométrica – tecnologia com patente exclusiva que melhora as propriedades de inúmeros materiais, de tintas a peças fundidas, entre outros.

Transição energética em muitos mercados emergentes impulsionada pela adoção de veículos elétricos de duas rodas

KN Radhakrishnan, Diretor e CEO, TVS Motor

Veículos de duas rodas são o meio de transporte mais importante em vários mercados emergentes na Ásia e na África, sendo a Índia o maior mercado mundial de veículos de duas rodas . A transição energética na mobilidade em muitos mercados emergentes, incluindo a Índia, está sendo liderada pela adoção de veículos elétricos de duas rodas.

Liderado pelas vendas de veículos elétricos de duas rodas, o ritmo acelerado de adoção de EV nos volumes da indústria da Índia triplicou em 2022 , com o crescimento continuando em 2023. Esse crescimento foi impulsionado, em parte, pelo apoio estendido na forma de incentivos do nacional e sub – governos nacionais na Índia.

A visão da adoção acelerada de EV está sendo impulsionada pelo governo e os fabricantes de equipamentos originais (OEMs) estão respondendo com investimentos em tecnologia e capacitação para ajudar a concretizar essa visão.

Além de impulsionar o crescimento, durante 2022-23, houve políticas consistentes e intervenções regulatórias do governo para garantir qualidade padronizada e níveis de segurança aprimorados de veículos elétricos de duas rodas para os consumidores.

Isso levou à formalização do setor e o resultado é um mix de produtos, que passou de opções de baixa qualidade e baixo custo para ofertas que atendem aos requisitos de qualidade e segurança.

As normas aprimoradas de segurança, localização e qualidade têm um impacto triplo. Primeiro, eles aumentam a qualidade dos produtos recebidos pelos clientes. Em segundo lugar, auxiliam na formalização do setor, garantindo players de qualidade. Em terceiro lugar, a qualidade do produto está a par dos níveis globais, permitindo que a indústria exporte para o exterior.

Quanto aos veículos de duas rodas com motor de combustão interna, além do grande mercado interno da Índia, o país também deve emergir como um importante centro de exportação de veículos elétricos de duas rodas.

O maior interesse do consumidor em veículos elétricos de duas rodas na Índia e em todo o mundo emergente continua a ser impulsionado pelo atraente custo total de operação e pela proposta de tecnologia oferecida pelos veículos elétricos. Isso se torna ainda mais relevante com o aumento dos preços dos combustíveis.

Esperamos que a indústria de VEs cresça rapidamente à medida que o interesse do consumidor for fortalecido com o apoio de políticas ativas. Os veículos elétricos de duas rodas não apenas fornecerão mobilidade de baixo custo para milhões em mercados emergentes, mas também serão uma peça importante do quebra-cabeça para cidades limpas, transporte líquido zero e transição energética.

‘2023 é um ano de mudança radical para a indústria automotiva africana’

Dave Coffey, CEO, Associação Africana de Fabricantes de Automóveis (AAAM)

O setor automotivo da África está bem posicionado para a industrialização e o crescimento. 2023 é um ano de mudança radical para a indústria automotiva africana, com cinco países centrais – Gana, Costa do Marfim, Nigéria, Egito e Quênia – implementando políticas automotivas progressivas ou devendo aprovar e implementar tais políticas.

Outros países africanos estão explorando sua vantagem competitiva. Até agora, apenas o Marrocos e a África do Sul industrializaram com sucesso e competitividade suas indústrias automotivas com volumes de produção de cerca de um milhão de veículos.

Há um entendimento de que nem todo país pode montar um veículo – os países centrais montarão veículos com economias vizinhas compartilhando a cadeia de valor determinada por sua vantagem competitiva e sustentável – e muito trabalho está sendo feito no terreno para explorar e desenvolver cadeias de valor com colaboração regional, chave para impulsionar a escala.

A importação anual de 3 milhões a 5 milhões de carros usados ​​para a África é um ambiente não regulamentado, com muitos carros impróprios para circulação e com padrões de emissão desatualizados. Um ecossistema de veículos usados ​​é fundamental para uma mobilidade acessível, mas a fonte fará a transição para veículos montados na África que cumprirão os padrões mínimos.

A transição energética para novos veículos dependerá da acessibilidade e difere entre os segmentos de mobilidade, com veículos de duas e três rodas marcando o ritmo junto com o transporte público nas principais cidades.

Regulamentar a condição de veículos usados ​​importados para a África também desempenhará um papel significativo na redução inicial das emissões de carbono. A industrialização e o crescimento efetivos do setor automotivo, ao mesmo tempo em que oferece mobilidade acessível, é uma grande oportunidade de emprego para o continente.

Fonte – Fórum Econômico Mundial