17 de abril de 2024

A promessa e o perigo da mobilidade urbana digital

mobilidade digital

Em 2015, uma start-up de Helsinque revelou um plano para algo que chamou de “mobilidade como serviço”, ou MaaS, com base em ideias desenvolvidas em uma tese de mestrado de 2014 em uma universidade finlandesa. A empresa, MaaS Global, construiu um aplicativo que fornece aos moradores da cidade um balcão único digital para todos os tipos de opções de viagem – transporte público, táxis, carona, compartilhamento de bicicletas e assim por diante.

Com a função de mapeamento online do Google, os passageiros podiam traçar a melhor maneira de ir de A a B e então, por meio do aplicativo, adquirir ou reservar os modos de transporte que se adequassem à rota e às preferências dos usuários. A MaaS Global vende assinaturas mensais, não muito diferente de pacotes de celular, que oferecem várias combinações – até um determinado número de viagens de trânsito, um certo número de viagens de carona e assim por diante; as reservas são feitas por meio de smartphones e uma única transação cobre todos os trechos de uma viagem. O pagamento “unificado” destina-se a incentivar viagens multimodais, como apontou um estudo português de 2021. A missão da empresa é fornecer uma alternativa “verdadeira” à propriedade de veículos particulares. “MaaS”, de acordo com o site da empresa, “pode ser a ferramenta mais poderosa para descarbonizar o transporte para as gerações futuras”.

A ideia rapidamente conquistou a imaginação de outros empreendedores de mobilidade, bem como empresas de capital de risco e gigantes do transporte como a Siemens. “Precisamos facilitar o planejamento de viagens de ponta a ponta”, disse o vice-presidente Roland Busch .

No final de 2019, a MaaS Global havia levantado quase 54 milhões de euros (R$ 281 milhões) de investidores, incluindo a BP e Mitsubishi. Seu aplicativo, conhecido como Whim, estava disponível em Helsinque, Viena, Antuérpia e algumas outras cidades. Outras versões do MaaS apareceram em Estocolmo, assim como testes na América do Norte, Índia e Austrália. Existe até uma associação da indústria de MaaS.

Agências municipais de trânsito não receberam bem essa inovação – a maioria não quer abrir mão do preço e da distribuição de tarifas para terceiro

No entanto, apesar de todo o hype e aparente promessa, o conceito de mobilidade digital não decolou. Os especialistas em transporte sabem que os hábitos de viagem dos indivíduos são difíceis de mudar. Alguns analistas enumeraram a longa lista de partes interessadas – privadas, públicas e outras – que precisam estar na mesma página para garantir que os empreendimentos MaaS ofereçam um benefício. Outros levantaram questões sobre qual o papel dos municípios na fiscalização e regulação desses tipos de empreendimentos.

Também ficou claro que, em algumas jurisdições, as agências municipais de trânsito não receberam bem essa inovação – a maioria não quer abrir mão do preço e da distribuição de tarifas para terceiros – e os consumidores demoraram a aderir. De acordo com um relatório recente da Bloomberg/CityLab , algumas empresas de MaaS também estão enfrentando dificuldades financeiras porque o modelo de negócios ainda não é especialmente lucrativo. “Se você vai enfrentar os automóveis, uma das maiores indústrias do mundo, levará um pouco de tempo”, disse Sampo Hietanen, fundador da MaaS Global.

A incerteza que orbita em torno do setor de MaaS revela muito sobre a promessa, o risco e o perigo da mobilidade digital em áreas urbanas, que é, sem dúvida, o prêmio mais procurado na cidade inteligente em expansão. A mobilidade inteligente abrange uma ampla gama de tecnologias e aplicativos digitais, desde aqueles já em amplo uso (serviços de compartilhamento de carros e bicicletas, carona, cartões inteligentes de trânsito, aplicativos de estacionamento, veículos elétricos e a gama cada vez maior de produtos de micromobilidade em mercado) até os que estão em desenvolvimento (carros autônomos, ônibus e caminhões, semáforos “inteligentes”, mapeamento de meio-fio, veículos de entrega de drones e até ruas onde as faixas iluminadas se ajustam automaticamente com base nos níveis de tráfego detectados por sensores).

Futuras inovações de mobilidade digital orientadas para o mercado exigirão escrutínio, planejamento cuidadoso de políticas e clareza na avaliação dos custos e dos benefícios.

Muitas dessas tecnologias dependerão fortemente de algoritmos de inteligência artificial e aplicativos de mapeamento digital em camadas densas, como Google Maps, Tom Tom e Waze, além de sistemas proprietários desenvolvidos por fabricantes de automóveis. Eles combinam GPS, imagens de satélite e sinais de telefones celulares, juntamente com uma coleção de outros fluxos de dados em rápida expansão, de compartilhamento dinâmico de bicicletas ou mapas de trânsito a endereços de vagas de estacionamento e, eventualmente, a localização de buracos não preenchidos. Algumas das informações granulares que impulsionam esses serviços virão dos telefones celulares das pessoas que se deslocam pelas cidades, enquanto outras parcelas serão coletadas dos portais de dados abertos das agências municipais.

Veja também: A mobilidade do amanhã pode estar no compartilhamento dos dados de hoje

Em alguns campos, há enormes oportunidades apresentadas pelas tecnologias que se enquadram no amplo título de mobilidade inteligente: tráfego mais responsivo e planejamento de trânsito; melhoria da acessibilidade para grupos que enfrentam impedimentos para se locomover nas cidades (moradores com deficiência, idosos, crianças); e melhores alternativas de baixo carbono para veículos movidos a combustíveis fósseis de propriedade privada.

No entanto, a chegada disruptiva de serviços de carona como Uber e Lyft – que, na pré-pandemia, alimentaram os congestionamentos e erodiam o uso do transporte público – serve como um aviso de que futuras inovações de mobilidade digital  orientadas para o mercado exigirão escrutínio, planejamento cuidadoso de políticas e clareza na avaliação dos custos e dos benefícios.


Este artigo foi escrito por John Lorinc, jornalista independente de Toronto, Canadá, especialista em política, assuntos urbanos, meio ambiente, tecnologia e negócios e autor do livro Dream States.